O que a Bíblia diz sobre o Controle de Armas?

0
126

O que a Bíblia diz sobre o Controle de Armas?

O que parece estar subentendido no argumento para o controle de armas é que a

disponibilidade de armas causa o crime. Por extensão, a disponibilidade de

qualquer coisa que possa ser usada como arma deve ser vista como uma causa

de crime. O que a Bíblia diz sobre esse ponto de vista?

É melhor que comecemos do início, ou pelo menos muito perto dele – em Gênesis

4. Neste capítulo, lemos sobre o primeiro assassinato. Caim ofereceu um

sacrifício inaceitável e estava perturbado por Deus insistir que ele fizesse a coisa

certa. Em outras palavras, Caim estava irritado por não poder fazer a sua

própria vontade.

Caim estava mais engajado em matar seu irmão do que em andar corretamente

com Deus. Não havia armas disponíveis, embora provavelmente houvessem

facas. Mas, se foi uma faca ou uma pedra, a Bíblia não diz. O caso é que, o mal

no coração de Caim foi a causa do assassinato, não a disponibilidade de armas

mortais.

A resposta de Deus não foi banir as pedras ou as facas, ou o quer que fosse,

mas, banir o assassino. Mais tarde (ver Gen. 9:5-6) Deus instituiu a pena capital,

mas não disse sequer uma palavra sobre proibir armas.


Cristo Ensinou o Pacifismo?

Muitas pessoas, inclusive Cristãos, assumem que Cristo ensinou o pacifismo.

Eles citam em seu favor Mateus 5:38-39. Nesse verso Cristo disse: “Vocês

ouviram o que foi dito, ‘Olho por olho e dente por dente.’ Porém, eu vos digo, não

resistais ao perverso; mas a qualquer que te ferir a face direita, dá também a

outra.”

O Sermão do Monte, onde essa passagem se encontra, trata da correta conduta

pessoal. Em nossa passagem, Cristo está esclarecendo uma confusão que as

pessoas faziam em pensar que a conduta apropriada para o governo civil – isto é,

fazer vingança – era também apropriada para um indivíduo.

Até mesmo as palavras que Cristo escolheu indicam que Ele estava aludindo à

uma confusão, ou a uma distorção, que era corriqueira. Diversas vezes no

restante do Sermão do Monte, Cristo usou: “vocês ouviram dizer isto”, uma

figura de discurso para expor o engano e a falsidade ensinada pelos líderes

religiosos da época.

Contraste isto ao uso que Cristo faz da frase “está escrito” quando Ele apelava

para a autoridade das Escrituras (por exemplo, ver Mateus 4 onde em três

ocasiões durante sua tentação pelo Diabo, Cristo respondeu a cada uma das

mentiras de Satanás pela Escritura com as palavras: “está escrito”).

Para perceber melhor o fato de que Cristo estava corrigindo os líderes religiosos

sobre seu ensino do “olho por olho” aplicado à vingança pessoal, considere que

no mesmo sermão, Cristo condena veementemente o falso ensino: “Qualquer que

quebrar algum destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos

homens, será considerado mínimo no reino dos céus…” (Mt. 5:19). Fica claro,

então, que Cristo não estava ensinando nada sobre a auto-defesa diferente

daquilo que é ensinado em outras partes da Bíblia. Caso contrário, Ele estaria se

contradizendo, pois estaria agora ensinando os homens a quebrar um dos

mandamentos.

A referência “olho por olho” foi extraída de Êxodo 21:24-25, que trata de como o

magistrado deve agir em relação ao crime. A saber, a punição acompanha o

crime. Os líderes religiosos do tempo de Cristo haviam distorcido a passagem que

se aplicava ao governo e, de forma errada, a haviam aplicado como um princípio

de vingança pessoal.

A Bíblia claramente distingue entre os deveres do magistrado civil (o governo

civil) e os deveres de um indivíduo. Ou seja, Deus delegou ao magistrado civil a

administração da justiça. Os indivíduos têm a responsabilidade de proteger suas

vidas dos agressores. Cristo se referiu a esta distinção na passagem de Mateus 5.

Vamos agora examinar alguns detalhes do que as Escrituras dizem sobre as

normas para os indivíduos e o governo civil.

Tanto o Antigo quanto o Novo Testamento ensinam a auto-defesa pessoal,

mesmo que isto implique em tomar a vida do agressor, em determinadas

circunstâncias.


A auto-defesa no Velho Testamento

Êxodo 22:2-3 nos diz: “Se um ladrão estiver roubando, e, sendo ferido, morrer,

quem o feriu não será culpado de seu sangue. Se o sol houver raiado sobre ele,

haverá culpa por seu sangue. Ele fará restituição total; se não tiver condições,

então, será vendido por seu furto.”

Uma conclusão que podemos extrair daqui é que uma ameaça à nossa vida deve

ser reprimida com força letal. Depois que “o sol houver raiado” parece referir-se a

um julgamento diferente daquele permitido à noite. À noite é mais difícil

discernir se o intruso é um ladrão ou um assassino. Além disso, a noite torna

mais difícil a tarefa de defender-se e, ao mesmo tempo, evitar matar o ladrão.

Durante o dia, seria melhor livrar-se do perigo, caso contrário, a defesa torna-se

vingança, e esta é prerrogativa do magistrado.

Em Provérbios 25:26, nós lemos: “O homem justo que cede ao perverso é como

uma fonte que foi turvada e poluída.” Certamente, cederíamos ao perverso se

escolhêssemos estar desarmados e incapazes de resistir ao assaltante que

pudesse ameaçar nossa vida. Em outras palavras, não temos o direito de abrir

mão de nossa vida — que é presente de Deus — para o perverso. É um erro grave

igualar a sociedade civilizada àqueles que se ocupam em assolá-la com maldade,

ao invés de serem pessoas decentes.

Confiando em Deus

Outra pergunta que os Cristãos fazem é, “Ter uma arma não significa certa

desconfiança sobre se Deus irá cuidar de nós?”

Realmente, Deus irá cuidar de nós. Ele nos disse também que se nós O

amássemos, guardaríamos os Seus mandamentos (Jo. 14:15).

Os que confiam que Deus trabalha para que eles vivam, sabem que 1 Timóteo

5:8 nos diz: “Mas se alguém não provê para si próprio, e especialmente para os

de sua casa, abandonou a fé e é pior do que um incrédulo.” Não trabalhar, e

ainda esperar comer porque está “confiando em Deus” seria simplesmente estar

tentando a Deus.

O rei Davi escreveu no Salmo 46:1 que “Deus é nosso refúgio e fortaleza, um

grande socorro presente na angústia.” Isto não conflita com a oração ao Deus,

“Que treina minhas mãos para a guerra e meus dedos para a batalha.” (Sl.

144:1).

A doutrina da Escritura é que nós nos preparamos e trabalhamos, mas deixamos

o resultado com Deus.

Aqueles que confiam em Deus deveriam também fazer a provisão adequada para

a sua própria defesa, assim como somos instruídos nas passagens citadas

acima. Pois um homem que recuse suprir defesa adequada para si e sua família

estará tentando a Deus.

Há um agravante com relação a adotar a posição do “eu não preciso me armar;

Deus irá me proteger.”

Em um certo ponto, quando Satanás estava tentando a Jesus no deserto, ele

desafiou Jesus a jogar-se de cima do templo. Satanás presumiu que os anjos de

Deus poderiam protegê-Lo. Jesus respondeu: “Novamente está escrito, ‘Não

tentarás ao Senhor teu Deus’” (Mt. 4:7)

Pode parecer piedoso dizer que confia em Deus para proteção – e todos nós

devemos confiar – mas tentamos a Deus se não nos submetemos ao padrão que

Ele nos deixou na Bíblia.

O Dever do Governo Civil

A Bíblia registra o primeiro assassinato em Gênesis 4 quando Caim matou seu

irmão Abel. A resposta de Deus não foi registrar as rochas ou listar aqueles que

possuíam um arado, ou o que quer que Caim tenha usado para matar seu irmão.

Ao invés disso, Deus tratou com o criminoso. Desde Noé, a pena para o

assassinato tem sido a morte.

Vemos a recusa em se aceitar os princípios que Deus nos deu lá no começinho

de tudo. Hoje vemos crescer a aceitação da idéia de que controlar o arsenal de

armas disponíveis aos criminosos irá diminuir o crime, enquanto raramente

devemos executar aqueles que são culpados de assassinato.

Em Mateus 15 (e em Marcos 7), Cristo também acusou os lideres religiosos de

seu tempo de se oporem à execução daqueles jovens rebeldes que eram

merecedores de morte. Eles haviam substituído os mandamentos de Deus com

suas próprias tradições. Deus nunca esteve interessado em controlar os meios de

violência. O que Ele sempre fez foi punir e, quando possível, restaurar (seja por

restituição e excomunhão) o transgressor. O controle de indivíduos deve ser

deixado a seu auto-governo. A punição dos indivíduos pelo governo civil deve ser

feita quando acontece algo de errado com esse auto-governo.

Em nenhuma parte da Bíblia Deus deixa brecha para tratar dos instrumentos de

crime. Ele sempre foca nas conseqüências que um indivíduo terá de arcar para

suas ações. O céu e o inferno só dizem respeito às pessoas, não às coisas. A

responsabilidade pertence somente às pessoas, não às coisas. Se esse princípio,

que está profundamente arraigado na lei comum, permanecesse ainda hoje, os

legisladores contra os fabricantes de armas deveriam banir somente os produtos

que funcionassem mal.

Auto-Defesa Versus Vingança

Resistir a um ataque não deve ser confundido com fazer vingança, a qual é

domínio exclusivo de Deus (Rom. 12:19). Ela tem sido delegada ao magistrado

civil, que, como lemos em Romanos 13:4, “…é ministro de Deus para teu bem.

Mas se fores mal, teme; pois não é em vão que vem a espada; pois é ministro de

Deus, um vingador para castigar o que pratica o mal.”

Os meios de vingança pessoal podem tornar alguém um criminoso se agir depois

que sua vida não está mais em perigo, ao contrário de quando alguém está se

defendendo de um ataque. Esse é o ponto crucial que têm sido confundido por

cristãos pacifistas que querem tomar a passagem do Sermão do Monte sobre dar

a outra face (o que proíbe a vingança pessoal) como um mandamento para

anular-se ante o perverso.

Consideremos também o que nos diz o Sexto Mandamento: “Não matarás.” Nos

capítulos seguintes, Deus dá a Moisés algumas situações que requerem a pena

capital. Evidentemente, Deus não está dizendo que nunca se deve matar, mas

que não devemos tirar a vida de um inocente. Considere também que o

magistrado civil é um terror para aqueles que praticam o mal. Essa passagem

não está de modo algum significando que o papel da lei obrigatoriamente é

prevenir crimes ou proteger os indivíduos dos criminosos. O magistrado é um

ministro que serve como “um vingador para castigar o que pratica o mal” (Rom.

13:4).

Este ponto está refletido na doutrina legal dos Estados Unidos. Repetidamente,

as cortes mantiveram que o governo civil não tem nenhuma responsabilidade de

fornecer segurança individual. Em um caso (Bowers x DeVito) se expressou desta

maneira: “Não há nenhum direito constitucional para ser protegido pelo estado

contra ser assassinado.”

Auto-Defesa no Novo Testamento

Cristãos pacifistas podem tentar argumentar que Deus mudou Sua mentalidade

do tempo em que Ele deu os Mandamentos a Moisés no Monte Sinai. Eles

podem, por exemplo, querer que nos convencer de que Cristo cancelou os Dez

Mandamentos de Êxodo 20 ou a base para o assassinato justificável de um

ladrão em Êxodo 22. Mas o escritor aos Hebreus deixa claro que não é assim,

porque “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente” (Heb. 13:8). No

Velho Testamento, o profeta Malaquias grava da seguinte maneira as palavras de

Deus: “Pois eu sou o Senhor, eu não mudo.” (Mal. 3:6).

Paulo estava se referindo à imutabilidade da Palavra de Deus quando escreveu a

Timóteo: “Toda Escritura é dada por inspiração divina, e é útil para o ensino,

admoestação, correção, para instrução na justiça, para que o homem de Deus

possa ser perfeito, completamente capacitado para toda boa obra” (2 Tim. 3:16-

17). Evidentemente, Paulo encarava toda a Escritura, incluindo o Velho

Testamento, como útil para instruir os cristãos em cada área da vida.

Devemos considerar também que Cristo disse a seus discípulos em suas últimas

horas com eles: “…Mas agora, quem tem uma bolsa, tome-a, e faça o mesmo

quem tiver uma espada; e quem não tiver uma espada, venda sua capa e compre

uma” (Lc. 22:36). Tenha em mente que a espada era a mais letal arma ofensiva

disponível para um soldado individual – seria o equivalente hoje a um rifle

militar.

Os pacifistas cristãos provavelmente irão objetar nesse ponto que algumas

poucas horas mais tarde, Cristo repreende Pedro por usar uma espada para

cortar a orelha de Malco, um servo do sumo sacerdote em companhia de um

destacamento de tropas. Vemos ler o que Cristo diz a Pedro em Mateus 26:52-54:

Embainha a tua espada, pois todo aquele que usa a espada irá perecer pela

espada. Ou você pensa que eu não posso agora orar a Meu Pai, e ele me

mandaria mais do que doze legiões de anjos? Como, então, pode ser cumprida as

Escrituras dizendo que isto deve acontecer?

Na passagem paralela em João 18, Jesus diz a Pedro para guardar sua espada e

diz que beberá do copo que Seu Pai lhe tem dado. Não era a primeira vez que

Cristo explicava a seus discípulos porquê ele veio à terra. Para cumprir a

Escritura, o Filho de Deus teve de morrer pelos pecados do homem, uma vez que

o homem era incapaz de pagar por seus próprios pecados, livrando-se do fogo do

inferno. Cristo poderia ter salvado sua vida, mas então os crentes perderiam

suas vidas eternamente no inferno. Essas coisas tornam-se claras para os

discípulos somente depois de Cristo ter morrido e levantado dos mortos, e depois

do Espírito ter vindo ao mundo no Pentecostes (ver Jo. 14:26).

Quando Cristo disse a Pedro “ponha sua espada no lugar,” evidentemente ele não

disse que a deixasse lá para sempre. Isto contradizeria o que ele havia dito aos

discípulos apenas algumas horas antes. A espada de Pedro era para proteger sua

própria vida mortal do perigo. Sua espada não era necessária para proteger o

Criador do Universo e o Rei dos Reis.

Anos depois do Pentecostes, Paulo escreve em uma carta à Timóteo: “Mas se

alguém não provê para si próprio, e especialmente para os de sua casa, ele

abandonou a fé e é pior do que um incrédulo” (1 Tim. 5:8). Essa passagem se

aplica a nosso assunto porque seria absurdo comprar uma casa, abastecê-la com

comida e outras necessidades de uma família, e então recusar-se a instalar

fechaduras e a prover os meios de proteger a família e a propriedade. Do mesmo

modo, seria absurdo não tirar, se necessário, a vida de um ladrão noturno para

proteger os membros da família (Ex. 22:2-3).

Um relato e um conceito até mais amplo é encontrado na parábola do Bom

Samaritano. Cristo sintetizou um sumário de todas as leis bíblicas do Velho

Testamento em dois grandes mandamentos: “‘Amarás o Senhor teu Deus com

todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua força, e com todo o teu

entendimento; e a teu próximo como a ti mesmo’” (Lc. 10:27). Quando

perguntaram quem era esse próximo, Cristo contou a parábola do Bom

Samaritano (Lc. 10:30-37). Foi o Bom Samaritano que cuidou da vítima de

ataque, o samaritano era o “próximo” da vítima. Os que passaram perto e

ignoraram a situação da vítima não agiram como “próximos” dele.

À luz de tudo o que vimos a Escritura ensinar sobre este ponto, podemos

perguntar: se pudéssemos salvar a vida de alguém das mãos de um agressor por

meio de um tiro no agressor com nossa arma deveríamos “dar a outra face”? A

Bíblia não fala disto como correto. Fala somente das nossas responsabilidades

em face de uma agressão – como criaturas individuais feitas por Deus, como

chefes de família, ou diante do nosso próximo.


Bênçãos e Maldições Nacionais

O Antigo Testamento também nos fala bastante sobre o relacionamento positivo

entre a retidão, que exalta a nação, e a auto-defesa. Deixando claro que em

tempos de rebelião nacional contra o Senhor Deus, as leis da nação irão refletir a

degradação espiritual do povo e o resultado é a rejeição da lei de Deus, a soberba

dos oficiais, o desarmamento, e opressão.

Por exemplo, o povo de Israel foi oprimido durante o tempo da lei dos juízes. Isto

ocorreu em qualquer tempo em que o povo apostatou. Juízes 5:8 nos fala que,

“Escolheram-se deuses novos; então, a guerra estava às portas; não se via

escudo nem lança entre quarenta mil em Israel.”

Considere Israel sob Saul: O primeiro livro de Samuel fala da mudança de rumo

de Israel para com Deus. O povo não queria ser governado por Deus; eles

queriam ser regidos por um rei como os pagãos, as nações odiadas por Deus em

derredor. Samuel advertiu o povo que se eles persistissem em pôr um rei sobre

seus ombros e de suas famílias, a decisão recairia sobre eles. Incluindo naquela

decisão o levantamento de um exército profissional composto por seus filhos e

filhas para as agressivas guerras (1 Sam. 8:11).

Essa decisão não é desconhecida nos Estados Unidos. Tudo aquilo que Samuel

advertiu ao povo, Saul realizou. Sua reunião de um exército armado foi repetida

nos Estados Unidos, e não só em termos de forças armadas, mas também com os

650.000 oficiais de polícia contínuos para todos os níveis do governo civil.

Saul era o rei que israelitas pediram e tiveram. Ele era bonito aos olhos do

mundo, mas um desastre aos olhos do Senhor. Saul não confiou em Deus. Ele se

rebelou contra a forma de sacrifício do Senhor. Saul pôs a si mesmo acima de

Deus. Ele era impaciente. Ele recusou esperar por Samuel porque o modo de

Deus estava sendo um tanto demorado. Saul foi adiante e executou ele mesmo o

sacrifício, violando assim os mandamentos de Deus (e, incidentalmente, violando

também a separação que Deus ordenou entre os deveres da igreja e do estado!).

Assim Saul perdeu sei reinado. E, foi sobre ele que os Filisteus puderam derrotar

os Judeus e escravizá-los. Quão grande foi a escravidão exercida pelo Filisteus:

“Ora, não se encontrava nem um ferreiro em toda a terra de Israel: pois os

Filisteus disseram, ‘Para que os Hebreus não façam espadas ou lanças.’ Mas

todos os israelitas tinham de descer aos filisteus para amolar a relha do seu

arado, e a sua enxada, e o seu machado, e a sua foice…. Sucedeu que no dia da

batalha, não se achou nem espada, nem lança na mão de nenhum do povo que

estava com Saul e com Jônatas…” (1 Sam. 13:19-20, 22-23).

Hoje, os mesmos objetivos dos Filisteus seriam realizados por um opressor que

banisse as armas da terra. A espada de hoje é a pistola, o rifle, ou a espingarda.

O controle de espadas dos Filisteus é hoje o controle de armas daqueles governos

civis que não permitem que seus cidadãos tenham armas.

É importante entender que o que aconteceu aos judeus no tempo de Saul não foi

inesperado de acordo com as sanções proferidas por Deus em Levítico 26 e

Deuteronômio 28. Nos primeiros versos daqueles capítulos, bênçãos são

prometidas à nação que seguirem as leis de Deus. Nas últimas partes daqueles

capítulos, as maldições são pronunciadas para uma nação que venha a ser

julgada por sua rebelião para com Deus. Deuteronômio 28:47-48 nos ajuda a

entender a razão para a opressão de Israel pelos Filisteus durante o reinado de

Saul:

Porque não serviste ao Senhor, teu Deus, com alegria e bondade de coração, não

obstante a abundância de tudo. Assim, com fome, com sede, com nudez e com

falta de tudo, servirás aos inimigos que o Senhor enviará contra ti; sobre o teu

pescoço porá um jugo de ferro, até que te haja destruído.

A Bíblia fornece exemplo de bênçãos de Deus sobre Israel por sua fidelidade.

Essas bênçãos incluem uma forte defesa nacional acoplada à paz. Um claro

exemplo ocorreu durante o reino de Josafá. 2 Crônicas 17 fala de como Josafá

conduziu Israel à fidelidade a Deus que incluía uma forte defesa nacional. O

resultado: “E o temor do Senhor sobre todos os reinos da terra que estavam ao

redor de Judá, de modo que não fizeram guerra contra Josafá” (2 Cr. 17:10).

O exército Israelita era um exército de milícia (Num 1:3ff.) que ia para a batalha

com cada homem carregando sua própria arma – do tempo de Moisés, passando

pelos Juízes, e além. Quando ameaçados pelos Midianitas, por exemplo, “Moisés

falou ao povo dizendo, ‘Armai alguns de vós para a guerra, e que saiam contra os

midianitas, para fazerem a vingança do Senhor contra eles’” (Num 31:3). Outra

vez, demonstra-se a herança bíblica de carregar e portar armas, durante o tempo

de Davi no deserto escondendo-se de Saul, “Davi disse a seus homens, ‘Cada

homem cinja sua espada.’ Então cada homem cingiu a sua espada, e Davi

também a sua” (1 Sm. 25:13).

Finalmente, considere Neemias e aqueles que reconstruíram os portões e os

muros de Jerusalém. Eles eram tanto construtores quanto defensores, cada

homem – casa servo – armou-se com sua espada:

Os carregadores, que por si mesmos tomavam as cargas, cada um com uma das

mãos fazia a obra e com a outra segurava a arma. Os edificadores, cada um

trazia a sua espada à cinta, e assim edificavam (Ne. 4:17-18).

Conclusão

A sabedoria dos que fizeram a Constituição [Americana] é consistente com as

lições da Bíblia. Os instrumentos de defesa devem estar espalhados por toda a

nação, não concentrados nas mãos do governo central. Em um bom país, cada

homem age corretamente por meio do Espírito Santo que trabalha nele. Não há

razão para o governo civil querem o monopólio da força; o governo civil que

deseja tal monopólio é um perigo à vida, liberdade, e propriedade de seus

cidadãos.

A simples suposição de que pode ser perigoso que as pessoas carreguem armas é

usada para justificar o monopólio da força por parte do governo. A noção de que

não se pode confiar que as pessoas mantenham suas próprias armas nos mostra

que, como o tempo de Salomão, não só para os muito ricos, é também um tempo

perigoso para as pessoas simples. Se Cristo não for nosso Rei, nós teremos um

ditador a governar sobre nós, justamente como advertiu Samuel.

Para aqueles que pensam que Deus tratou Israel de maneira diferente da que irá

nos tratar hoje, por favor considere o que Deus disse ao profeta Malaquias: “Pois

eu sou o Senhor, eu não mudo…” (Mal. 3:6).

Artigo escrito por: Larry Pratt

Larry Pratt é diretor executivo da Gun Owners of America (com 150.000

membros), foi eleito Oficial na legislatura estadual da Virgínia, e é presbítero na

Igreja Presbiteriana na América.

Traduzido por: Márcio Santana Sobrinho

Agradecemos ao tradutor, que gentilmente se dispôs a traduzir esse artigo para o

site Monergismo.com.

Este artigo é parte integrante do portal http://www.monergismo.com/.

Exerça seu Cristianismo: se vai usar nosso material, cite o autor, o tradutor (quando for o caso),

a editora (quando for o caso) e o nosso endereço. Contudo, ao invés de copiar o

artigo, preferimos que seja feito apenas um link para o mesmo, exceto quando em

circulações via e-mail.

 

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO