Presidente Duterte das Filipinas diz que está cansado, velho e quer deixar o poder

0
11

Na quarta-feira, 28 de fevereiro, o presidente filipino Rodrigo Duterte procurou dissipar as preocupações que ele se agarrará ao poder e se tornará um ditador, dizendo que quer alcançar seu objetivo de introduzir o federalismo para que possa terminar seu mandato antecipadamente.

O ex-prefeito defendeu o federalismo para combater o grande fosso de riqueza no país, fortalecer os governos regionais e reconhecer a composição diversa das Filipinas.

Um painel de 19 membros, criado por Duterte há um mês e composto por especialistas em direito constitucional e liderado por um juiz aposentado da Suprema Corte, propôs um modelo federal semelhante ao dos Estados Unidos.

Alguns críticos acreditam que o movimento para mudar a Constituição e alcançar isso também proporcionaria meios para que Duterte se mantivesse no poder além de 2022, quando seu mandato único de seis anos termina.

Mas o presidente de 72 anos disse que já não tem energia para isso. “Vou me demitir em 2020, não esperarei por 2022”, disse ele num discurso. “Estou velho. Não tenho mais ambição. Eu realmente gostaria de descansar.”

Os aliados de Duterte na câmara baixa filipina votaram no mês passado para convocar uma assembleia constituinte para revisar a Constituição, desfazer as eleições de meio termo no próximo ano e ampliar o tempo de mandato de todos os funcionários eleitos.

A Constituição foi introduzida em 1987 após a expulsão do falecido ditador Ferdinand Marcos numa revolução popular sem derramamento de sangue.

Os movimentos anteriores para mudar a Constituição nesse sentido falharam, com a sociedade civil e os grupos religiosos impedindo o que eles veem como ameaças a um sistema destinado a evitar que líderes fortes como Marcos possam emergir. O medo de que Duterte se torne um autocrata é agravado pela admiração que ele expressou por Marcos.

Especialistas acreditam que Duterte pode ter sucesso em mudar a Constituição devido à sua popularidade pública e à supermaioria que ele controla no Congresso.

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS