Ivan, O Terrível

0
119

No dia 25 de Agosto de 1530, nascia o pequeno Ivan. Aos três anos, teve que suportar a morte de seu pai e aos 5 já presidia as reuniões regenciais. Seus regentes, sempre brigando entre si por poder e roubando do tesouro real, assustavam o pequeno menino. Numa dessas reuniões, ele denunciou a má administração e o esbanjamento de recursos do reino. O acusado foi assassinado por ordem sua. Antes dos 16 anos, já havia providenciado de matar as famílias de todos os regentes, assumindo rapidamente o poder. Aos 16, casou-se com Anastasia Romanovna e foi coroado rei da Rússia. Foi o primeiro imperador russo a usar o título de tsar, traduzido de maneira errada para “czar”, na língua ocidental. O título deriva do de “césar” romano, e foi usado até a o último imperador russo, o czar Nicolau II.

Em seus anseios militares, obrigou a Igreja Ortodoxa e os boiardos a lhe financiar tropas e exércitos. Expulsou os tártaros de Kazan, e, em comemoração, ordenou que fosse construída a Catedral de São Basílio, muito conhecida por sua arquitetura singular. Conquistou também a Sibéria dos mongóis, parando assim seu avanço territorial sobre a Europa e anexou os territórios de Estônia e Letônia, antes na mão de nórdicos.

Após a morte de sua esposa, enlouqueceu. Assassinou seu amado filho, criou a guarda Opritchna, a primeira polícia secreta russa, que tratava de matar potenciais “inimigos do tzar”. Tornou-se obsessivo por conhecer a data da própria morte, que lhe foi dada como 18 de março de 1584 do calendário juliano. Na véspera do dia previsto, morreu de parada cardíaca. Sua alcunha foi traduzida de maneira errada para as línguas ocidentais, como “Ivan, o Terrível

Ivan, O Terrível

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO