Feministas Suecas envolvem-se sexualmente com ‘menores’

0
532

Feminista Sueca falando sobre relações sexuais com os refugiados: “Todas nós fazemos isso.”

O julgamento contra as assim-chamadas “Arboga-woman” chamou a atenção para a forma como as mulheres de meia-idade na indústria dos asilos estão a ter relações sexuais com as crianças refugiadas. “Todas nós fazemos isso”, diz o testemunho duma mulher (que trabalha num dos asilos) no site esquerdista com o nome de “Blankspot”.

 

Este assunto havia sido previamente discutido em sites tais como Flashback, onde relações sexuais entre as que os utilizadores deram o nome de “Dye witches” e os refugiados infantis recebeu atenção extensa. Mas agora, é o muito bem conhecido site Comunista de Martin Schibby Blankspot a fazer o mesmo, fonte esta que já publicou um texto onde uma mulher esquerdista reportou anonimamente a forma como ela leva para casa as assim-chamadas “crianças refugiadas não-acompanhadas” directamente do Conselho de Migração.

Segundo o texto da mulher, relações sexuais entre as mulheres e os assim-chamados “refugiados” são imensas. No seu texto em torno duma das noites de sexo com “criança refugiada não-acompanhada”, ela escreve:

Chega de estarmos no sofá. Se ele quiser, ele que se junte a mim na cama. Mando um SMS a uma amiga: “Socorro – tenho que levá-lo e fazer sexo na minha cama!” Resposta: “Tem calma. Todas nós fazemos isso. Esta é a forma como as coisas têm que ser feitas. Dá-lhe proximidade. Isso é o que tu podes fazer.”
As pessoas envolvidas nos serviços sociais tendem a ser mulheres mais velhas que são ávidas defensoras do socialismo, do feminismo, do multiculturalismo, etc. Está a ser alegado agora que estes mulheres envolvem-se nos serviços sociais como forma de ter relações sexuais com os homens imigrantes [ed: E não só.]

Algumas fontes noticiosas Suecas estão até a acusar estas mulheres de “explorarem adolescentes” com propósitos sexuais. Estas mulheres estão agora a ser chamadas de”Batikhäxor,” que é ocasionalmente traduzido para o inglês “Dye Witch.”

O julgamento de Johanna Moller, que ainda decorre, relativo a um duplo assassinato, trouxe o escândalo para as páginas principais dos jornais. Moller é acusada de mandar um refugiado Afegão matar o seu marido e o seu pai. Durante o julgamento foi alegado que era comum ela dar drogas e bebidas alcoólicas aos refugiados menores como forma de ter sexo com eles.

 

O site comunista com o nome de Black Spot publicou um artigo explosivo anónimo de uma assistente social onde ela declara que era comum existirem relações sexuais com os jovens refugiados. A colunista anónima disse que os homens se encontram “traumatizados” e que o sexo era “terapêutico” para eles.

A comentadora Sueca Ann Heberlein diz que ela conhece pessoalmente vários casos de assistentes sociais a terem sexo com jovens refugiados. Ela diz que conhece até casos de mulheres casadas que decidiram que preferiam ter sexo com jovens refugiados do que continuar com o casamento.

Muitas mulheres alistam-se para disponibilizarem a sua casa para abrigar “menores não-acompanhados” com o expresso propósito de terem relações sexuais com eles.

A maior parte destes “menores” são adolescentes ou têm vinte e poucos anos. Uma larga maioria destes “menores” não-acompanhados são homens. (A Suécia classifica refugiados com idade até aos 25 anos de “menor não-acompanhado”.

E numa notícia relacionada, outra mulher Sueca foi exposta como levando a cabo danças para “crianças refugiadas”, e de ter várias relações íntimas com eles, num centro de abrigo em Åmål. Enquanto isso, outra mulher dormiu com um refugiado menor na sua casa, e foi acusada de violação.

Fonte: http://bit.ly/2AAURWF

Para mais informação sobre mulheres e assistentes sociais a terem relações sexuais com refugiados, vejam este post no Reddit.

* * * * * * *

Estas são as palavras ditas por um homem Sueco comentando sob a alcunha de “Jack Burton” no site Zerohedge:

Na Europa [Ocidental], as mulheres tomaram conta da sociedade por completo. Os homens são piores feministas que as mulheres. É um facto confirmado que as mulheres são a maior parte das pessoas envolvidas em dar as boas vindas aos refugiados, a alimentar quem se encontra nas estações, a gerir os campos, a dar abrigo, e a levar a cabo manifestações em favor dos migrantes. A maior parte destas mulheres são solteiras e de meia-idade.

Observem os vídeos cuidadosamente e irão observar centenas de jovens homens migrantes e são sempre as mulheres brancas de meia-idade quem lhes está a dar pão, ou dar sopa. No campo para refugiados em Calais são mulheres de meia-idade quem está a manter os migrantes alimentados. Elas fazem-se presentes todos os dias para fazerem o que podem pelos milhares de jovens homens islâmicos.

Estas mulheres têm qualificações em feminismo e teoria da assistência social. Elas querem mais e mais migrantes visto que isso dá emprego a mulheres como assistentes sociais – mulheres esquerdistas e liberais cujos empregos são em assistência social e governamental.

Já coloquei aqui a história da mulher Sueca que se tornou amiga dum grupo de jovens migrantes num comboio Sueco. Eles beberam juntos, cantaram juntos, e ela passou a conhecê-los um pouco melhor. E depois ela foi violada por eles. E o que foi que ela fez? Ela permanece relutante em apresentar queixa devido ao facto “deles serem refugiados, e do facto eles poderem ter outro cultura, e a sua vida estar a ser tão difícil”.

Isto é practicamente tudo o que é preciso saber sobre as mulheres na Europa.

Os homens Europeus têm que tomar o poder das mãos das mulheres esquerdistas antes que seja tarde demais. Senão, veja-se o seguinte video:

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO