Irã: repressão intensifica após ataques a postos policiais

0
27

A polícia prendeu mais de 450 manifestantes na capital iraniana de Teerã nos últimos três dias, disse o vice-governador provincial na terça-feira, quando uma repressão se intensificou contra manifestações antigoverno que começaram na semana passada.

Os manifestantes também atacaram estações da polícia em outros lugares no Irã durante a noite de segunda-feira, disseram agências de notícias e redes sociais.

Um membro das forças de segurança foi morto na segunda-feira, elevando para pelo menos 14 o número de mortes decorrentes dos protestos mais desafiadores para a liderança clerical do Irã desde a última grande agitação em 2009.

Musa Ghazanfarabadi, chefe do Tribunal Revolucionário de Teerã, alertou os manifestantes na terça-feira que os detidos enfrentarão severos castigos.

A agência de notícias semioficial ILNA citou Ali Asghar Naserbakht, o vice-governador da província de Teerã, dizendo que 200 pessoas foram presas no sábado em Teerã, 150 pessoas no domingo e cerca de 100 pessoas na segunda-feira.

Centenas de outros foram presos em outras cidades, de acordo com reportagens das agências e redes sociais.

Naserbakht disse que a situação em Teerã estava sob controle e a polícia não pediu a ajuda das forças especiais da Guarda Revolucionária.

A agência de notícias Mehr também citou um funcionário do judiciário dizendo que vários líderes dos protestos em Karaj, a quarta maior cidade do Irã, foram presos.

Ghazanfarabadi disse que os detidos serão julgados em breve e os líderes enfrentarão acusações graves, incluindo “moharebeh“, um termo islâmico que significa guerra contra Deus, e resulta em pena de morte.

O chefe do judiciário do Irã, Sadeq Larijani, ordenou que os promotores na segunda-feira “punam firmemente os agressores”.

As manifestações que surgiram na semana passada foram inicialmente focadas nas dificuldades econômicas, incluindo o alto desemprego, e na alegada corrupção no governo, mas se transformaram em manifestações políticas.

A raiva foi rapidamente dirigida à liderança clerical que está no poder desde a revolução de 1979, incluindo o líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, a autoridade suprema no sistema iraniano de duplo regime, clerical e republicano.

O Irã é um importante produtor de petróleo da OPEP e um poder regional profundamente envolvido na Síria e no Iraque como parte de uma disputa pela influência regional e no islã contra a rival Arábia Saudita.

Muitos iranianos se ressentem das intervenções no estrangeiro e querem que seus líderes criem empregos em casa, onde o desemprego juvenil atingiu 29% no ano passado. O desemprego geral atingiu 12,4% neste ano fiscal, de acordo com o Centro de Estatística do Irã.

O porta-voz do governo, Mohammad Baqer Nobakht, disse numa coletiva de imprensa que os manifestantes e as forças de segurança devem seguir a lei.

“As pessoas têm o direito de protestar, mas há uma diferença entre demonstração e motim… Mesmo aqueles que estão enfrentando os rebeldes devem atuar no âmbito da lei”, disse ele.

Os vídeos nas redes sociais na segunda-feira mostraram um choque intenso na cidade central de Qahderijan entre as forças de segurança e os manifestantes que estavam tentando ocupar uma delegacia de polícia, que foi parcialmente incendiada.

Houve relatos não confirmados de várias baixas entre os manifestantes.

Na cidade ocidental de Kermanshah, os manifestantes incendiaram um posto da polícia de trânsito, mas ninguém foi ferido no incidente, disse a agência de notícias Mehr.

Reações

Khamenei permanece silencioso até agora. Rouhani absteve-se na segunda-feira de aceitar a responsabilidade pelos problemas abordados pelos manifestantes e culpou seu antecessor e também o adversário de longo prazo do Irã, os Estados Unidos, pelas deficiências do governo.

Rouhani, visto como um pragmático que está em desacordo com os radicais, disse: “As pessoas nas ruas não pedem pão e água, elas pedem mais liberdade”, o que implica que os manifestantes não estavam visando seu governo, mas o estabelecimento mais rígido.

O presidente estadunidense Donald Trump apoiou os manifestantes numa mensagem de Twitter na segunda-feira: “O grande povo iraniano foi reprimido por muitos anos. Eles estão com fome de comida e liberdade. Junto com os direitos humanos, a riqueza do Irã está sendo saqueada. TEMPO PARA A MUDANÇA!”

A Turquia disse na terça-feira que estava preocupada com os relatos de pessoas que morreram e edifícios públicos danificados no Irã.

“Acreditamos que é necessário evitar a violência e não sucumbir a provocações”, afirmou o ministro das relações exteriores da Turquia num comunicado, acrescentando que esperava que a intervenção estrangeira fosse evitada.

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO