Mulher morre na mesa de operação, vê o céu e eventos futuros, e retorna à vida transformada

0
67

Tricia Barker estava deprimida. Ela tinha 21 anos, estudava inglês na faculdade, mas não tinha certeza de qual carreira seguiria e, em geral, sentia que a vida era sem esperança e dolorosa. Ela tentou tirar a própria vida por meio da combinação de um punhado de pílulas e álcool.

Ela acordou 36 horas depois em seu quarto e não contou a ninguém que tentou suicídio, mas decidiu seguir em frente com sua vida e transformar o incidente num ponto de partida para colocar sua vida de volta nos trilhos, sua primeira decisão foi começar a treinar para correr uma maratona de 10 quilômetros.

Depois da tentativa de suicídio, Barker treinou para correr uma maratona como forma de se recuperar de uma depressão profunda. No caminho para a maratona, ela sofreu um terrível acidente de carro.

Depois de semanas de treinamento, Barker estava a caminho da maratona quando, tragicamente, foi vítima de uma colisão frontal. Ela fraturou diversos ossos das costas e não conseguia sentir as pernas, e ficou com muitos ferimentos internos. Sem seguro de saúde, levou quase 20 horas para encontrar um cirurgião que a operasse. Ela passou essas 20 horas deitada no hospital sem analgésicos ou qualquer alívio para suas dores. Finalmente, na mesa de operação, Barker foi anestesiada.

Em um instante, seu espírito deixou o seu corpo.

“O anestesista colocou a máscara sobre meu rosto e logo em seguida eu estava fora do meu corpo”, disse ela, estalando os dedos para mostrar a rapidez com que aconteceu.

“Na época, eu era agnóstica e fiquei tão chocada quando vi meu espírito indo para longe do meu corpo que só queria voltar ao meu corpo, acordar e dizer a todos os meus amigos: ‘Ei, nós continuamos!’”, disse Barker num vídeo que ela fez sobre sua experiência.

Ela viu seu corpo na mesa de operação com as costas abertas e sangue por toda parte. Dois anjos vieram até ela e a acalmaram. Ela os viu enviar luz através dos cirurgiões para dentro do seu corpo. Naquele momento, ela sabia que os cirurgiões seriam capazes de remover os detritos de suas costas e que ela conseguiria voltar a andar.

Enquanto seu corpo jazia morto, ela visitou seus entes queridos e viu eventos que mais tarde foi verificado que realmente aconteceram.

Angustiada por ver seu corpo morto e sem saber como os médicos poderiam revivê-la, ela não queria mais ver a cena. Com esse pensamento, ela foi instantaneamente para um corredor.

E foi neste instante que aconteceu algo que acabou transformando o seu caso num dos mais interessantes para os pesquisadores das experiências de quase-morte (ou EQM). Ela viu seu padrasto, um apreciador convicto de comida saudável que sequer toca em doces, pegando uma barra de chocolate de uma máquina de venda automática no corredor do hospital e comendo-a. Isto foi confirmado mais tarde e realmente aconteceu.

Tal evento é chamado de “percepção verídica”. As percepções verídicas são observações que a pessoa faz durante experiências fora do corpo e que podem ser comprovadas independentemente, pois são coisas que elas não poderiam saber por meios comuns.

Alguns cientistas, como o neurologista Kevin Nelson, da Universidade de Kentucky, tentam explicar as experiências de quase-morte como processos no cérebro semelhantes aos que ocorrem quando uma pessoa sonha ou perde de repente o oxigênio.

Os cientistas tentaram explicar as EQMs como processos no cérebro, mas a Dra. Janice Miner Holden diz que nenhuma dessas abordagens esclarece o fenômeno.

A Profa. Jan Holden fala na Conferência IANDS 2014, em 29 de agosto de 2014 (Tara MacIsaac/The Epoch Times)
A Profa. Jan Holden fala na Conferência IANDS 2014, em 29 de agosto de 2014 (Tara MacIsaac/The Epoch Times)

No entanto, a Dra. Janice Miner Holden, professora da Universidade do Norte do Texas e uma antiga pesquisadora da EQM, identificou cerca de 100 casos de percepção verídica. Ela determinou, por meio do exame de centenas de casos de EQM, que esse fenômeno não pode ser explicado por meio de processos comuns como os propostos por Nelson.

“Qualquer explicação material que tenha sido tentada não explica algumas das coisas que acontecem nas EQMS”, disse Holden numa palestra gravada na qual ela apresentou seu livro “O manual das experiências de quase-morte“.

“Nenhum desses modelos pode explicar como Tricia sabia que seu padrasto estava comendo uma barra de chocolate enquanto ela estava inconsciente e deitada na sala de cirurgia”, disse Holden. Barker é um dos muitos casos de EQM que Holden investigou.

Uma em cada cinco pessoas que se defronta com a morte tem experiência fora do corpo.

Holden descobriu que cerca de uma em cada cinco pessoas que se defronta com a morte têm uma experiência similar e profunda fora do corpo. Muitas pessoas não as discutem abertamente, por medo do ridículo. Algumas pessoas que vivenciaram EQMs foram colocadas em tratamento psiquiátrico por falarem sobre suas experiências.

Mas Holden descobriu que a saúde mental das pessoas que vivenciam uma EQM é tão normal quanto a da população em geral. Essas pessoas são tão sensatas e racionais quanto qualquer outra pessoa. Os impactos dessas experiências são muito positivos. Cerca de 90% das pessoas que têm uma EQM consideram a experiência agradável e muitas delas voltam mais felizes e com um forte senso de propósito.

“Eu nunca havia sentido um amor como esse – o amor de uma mãe, o amor romântico, nada poderia se comparar.”

A experiência de Barker não terminou com a barra de chocolate. Ela ouviu as silenciosas orações de sua mãe, da sua tia e de outras pessoas. Quando ela ouviu a dor nas orações de sua família, ela quase quis voltar. Mas uma luz acenou. “A luz era tão incrível que eu nunca havia sentido um amor como esse – o amor de uma mãe, o amor romântico, nada poderia se comparar.”

Ela se encontrou em um campo mais real e bonito do que qualquer coisa na Terra. Seu avô, que já havia falecido, estava lá com ela.

Então, ela viu centenas de luzes e soube que cada uma representava um de seus futuros alunos. Ela sabia que deveria ser professora, essa seria sua carreira. Ela também sabia que não deveria apenas ensinar inglês, mas também ensinar aos outros sobre o que ela havia experimentado durante sua morte.

O passado e o futuro passaram como um flash diante dela. Não foram necessariamente os principais eventos ou relacionamentos em sua vida que foram enfatizados, mas sim suas interações com pessoas que tinham desempenhado pequenos papéis. Havia pessoas com as quais ela não tinha fortes ligações porque acreditava que elas eram diferentes dela, mas ela as viu orando por ela e estavam preocupadas quando ela estava deprimida.

Ela foi capaz de ver e sentir como suas ações tinham impacto sobre os outros. Holden disse que esta é uma experiência comum durante as EQMs. Muitas vezes, torna as pessoas que passaram por EQMs mais comprometidas em considerar os outros em suas ações, porque sabem que, no final de suas vidas, terão de vivenciar novamente todos os sentimentos que causaram nos outros.

Ela sentiu que os anjos e Deus não a julgavam negativamente pelas coisas que ela havia feito.

Apesar de Barker sentir remorso por algumas de suas ações, ela percebeu que os anjos e Deus não a julgaram negativamente pelas coisas que ela havia feito. Eles se sentiram tristes por algumas das escolhas que ela fez, mas eles não a julgaram de forma ruim. Eles só queriam o que era melhor para ela.

Quando ela tentou o suicídio, ela pode ver que havia vários caminhos diferentes que ela poderia ter tomado ao invés deste. Ela poderia ter contado com as pessoas ao seu redor.

Ela viu que a escolha mais importante que deveria ter feito era a de ser boa consigo mesma, valorizar-se e tratar-se com compaixão. “Quando você acredita que é digno do seu próprio amor, você começa a criar uma vida ao seu redor que é muito melhor”, disse ela.

Embora fosse difícil ver os erros cometidos durante sua vida, a experiência no geral foi imensamente alegre. Ela não queria voltar ao seu corpo, mas Deus lhe disse que ela tinha que voltar. Ela ajudaria os outros a entender que existe vida após a morte e que não há nada para temer.

Seu corpo parecia uma roupa depois que ela percebeu que era apenas “algo” que sua alma eterna usaria por um tempo relativamente curto na Terra.

Tricia Barker (Captura de tela/YouTube)
Tricia Barker (Captura de tela/YouTube)

Quando ela retornou para seu corpo, sentiu-se tão limitada depois de sua experiência transcendente que seu corpo parecia uma “fantasia” e no começo ela falava de si mesma na terceira pessoa, como se “Tricia Barker” fosse apenas uma encarnação limitada de seu ser eterno.

Barker se recuperou de seus ferimentos nas costas, como ela havia visto durante sua experiência fora do corpo. Apenas um ano depois, ela correu a maratona de 10 quilômetros. Isso não só simbolizou sua recuperação após a tentativa de suicídio, como também sua vitalidade após a experiência de quase-morte que a mudou profundamente.

 

 

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO