Emissora cristã é multada em R$ 26 mil por citar história de Sodoma e Gomorra em programa

0
67

Uma emissora de TV cristã do Reino Unido sofreu uma multa de aproximadamente R$ 26 mil por mencionar a história bíblica de Sodoma e Gomorra em um de seus programas. A passagem foi considerada homofóbica e denunciada, e a agência reguladora de conteúdos da Espanha resolveu aplicar uma punição.

O imbróglio envolve a Revelation TV, que embora seja sediada no Reino Unido, transmite para a Espanha via satélite desde 2012. Após uma denúncia em 11 de setembro de 2017, a Comissão Nacional de Mercados e Concorrência (CNMC) decidiu multar a emissora em € 6 mil, o que equivale a pouco mais de R$ 25,9 mil na cotação atual.

Segundo a CNMC, o programa exibido pela emissora cristã apresentou comentários que “poderiam ser considerados um ataque contra a dignidade do coletivo homossexual e transgênero, sem, no entanto, incitar manifestamente o ódio destes grupos pela cadeia histórica do programa”.

Os eventos mencionados ocorreram no programa matutino, o RMornings, que costuma analisar e discutir, entre convidados, notícias da atualidade, segundo o diretor da emissora, Gordon Pettie, em entrevista ao portal Protestante Digital.

Na edição em questão, o programa fez referência a uma notícia no Reino Unido de uma família que pediu transferência do filho de uma escola porque outro aluno havia se identificado como transgênero. O convidado do programa, um pastor evangélico, fez vários comentários sobre o caso.

Na resolução, o CNMC destacou as palavras do pastor, que abordou o assunto pelo viés conservador, com um olhar crítico, e atraindo atenção para as consequências possíveis que os valores “pós-modernos” da sociedade contemporânea podem causar no futuro.

“O problema é que esses caras estão realizando o que eu chamo de ‘engenharia social’. Eles vêm com suas próprias ideias para levar a sociedade a uma direção específica. Mas não devemos permitir que isso aconteça. Deixe a criança crescer naturalmente e, quando tiver idade suficiente, deixe que ela decida o que deseja fazer. Depois dos 18 anos, eles decidirão o que querem fazer, com a liberdade de fazê-lo. Mas comece na escola, comece a ensinar uma ideia que não é natural – porque todas essas ideias que você está apresentando não são do jeito natural que as coisas realmente são, elas não são do jeito natural que são na Bíblia – elas não são, biologicamente, o caminho natural. Eu não sei quem incentiva e como podemos parar isso, o que não deveria acontecer”, criticou o pastor na ocasião.

O discurso do pastor se aprofundou ainda mais, observando – assim como muitos líderes conservadores no Brasil e Estados Unidos – que as ações progressistas são deliberadas, e não fruto do acaso.

“Você precisa entender [que as] pessoas dirigindo esta agenda não são ignorantes, eles sabem exatamente o que estão fazendo, eles sabem que nessa idade a criança não tem ideia do que está acontecendo, por isso, se eles podem manipular. As crianças acreditam que isso é o que é natural, em seguida, adere aos filhos e, em seguida, como tentar pegar uma geração antes do tempo, de modo que quando você finalmente chegar a idade de 20 ou 25 anos, o mundo mudou exatamente como você quer que seja com essa agenda”, denunciou.

A visão do pastor, crítica, continua alertando sobre os interesses que não são expostos à luz do dia: “Esse é um jogo que eles estão jogando, e eles são deixados para o setor cristão emergir como um todo. Talvez os cristãos tenham que acordar e dizer: ouçam, vamos formar um partido político ou participar de um partido para mudar essa loucura. Nós vamos ter que fazer isso, porque senão, teremos Sodoma e Gomorra em nossas portas, onde eles vão dizer ‘nós queremos pegar esses homens e queremos dormir com eles e não há nada que você possa fazer sobre isso’. Eu tenho garotas aqui pra te dar […] nós não queremos esses caras. E, à medida que se tornou agressivo, tornou-se pesado e, se não enfrentarmos essa militância, a situação piorará e ficará muito ruim”.

“Os cristãos simplesmente têm que acordar e andar em união e determinar nosso destino. Nós somos a maioria. Não podemos nos sentar e permitir que essas minorias, na mídia e em todas as áreas da vida, ditem como as coisas deveriam ser. Precisamos entrar no assunto e dizer que é suficiente. A situação está se tornando terrível e é hora de contra-atacar”, concluiu o pastor.

As afirmações, contundentes, não passaram despercebidas do órgão de controle, que agiu rapidamente para silenciar a emissora e o pastor. No entanto, o diretor da Revelation TV destacou que a liberdade de expressão está sendo violada: “Ele estava comentando sobre algo que é ensinado na Bíblia”, afirmou, destacando que no meio cristão, ninguém compreende as palavras do pastor como uma incitação ao ódio, mas sim, como defesa de valores.

Gordon Pettie, explicou que a emissora está disposta a recorrer da multa em tribunal. Para isso, eles têm um prazo de dois meses para apresentar um recurso administrativo contencioso perante o Tribunal Nacional. “Não acreditamos que durante o programa foi dito algo que não esteja na Bíblia. Nós, portanto, acreditamos que não somos culpados”, afirmou.

“Se eles nos declararem culpados, eu acho que eles também terão que acusar a Igreja Católica, já que eles também entendem essa questão da mesma forma . Somos uma televisão cristã que nasceu há quinze anos e pertence a uma organização sem fins lucrativos. Nós conversamos sobre todos os tipos de questões a partir de uma perspectiva cristã, tocamos música, estudos bíblicos, transmitimos pregações… tudo o que você esperaria de uma televisão cristã”, concluiu.

Fonte – Gospel Mais

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO