EUA solicita que Rússia acabe com a ocupação da Criméia

0
28

As sanções contra a Rússia permanecerão em vigor até que a Rússia devolva a Criméia à Ucrânia

Estados Unidos pediram à Rússia que acabe com a ocupação da Crimeia em uma declaração emitida pelo Departamento de Estado em 25 de julho.

O secretário de Estado, Mike Pompeo, disse aos legisladores logo após a declaração ter sido divulgada que o documento serve para formalizar a posição de longa data da América sobre a tentativa da Rússia de anexar a península da Criméia.

“Os Estados Unidos pedem à Rússia que respeite os princípios que há muito a reivindicam aderir e que acabe com a ocupação da Crimeia”, afirma a declaração.

“Através de suas ações, a Rússia agiu de maneira indigna de uma grande nação e optou por se isolar da comunidade internacional.”

As sanções contra a Rússia permanecerão em vigor até que a Rússia devolva a Criméia à Ucrânia, informou Pompeo aos legisladores do Comitê de Relações Exteriores do Senado.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia rejeitou os comentários de Pompeo.

“Nós sabemos o valor de tais declarações importantes”, disse a porta-voz do ministério, Maria Zakharova, em sua conta no Facebook.

Os Estados Unidos divulgaram a declaração nove dias depois do encontro do presidente Donald Trump com o presidente russo, Vladimir Putin, em Helsinque. Trump disse que as relações entre os dois países estavam em um ponto baixo antes da reunião, mas melhoraram desde então.

Trump e Putin discutiram a ocupação russa da Crimeia na cúpula. Moscou alega que sua anexação é legal, uma vez que foi aprovada através de um voto popular em um referendo. Os Estados Unidos nunca reconheceram a legitimidade da anexação.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 2014 e a guerra continua até hoje. Mais de 8.000 pessoas foram mortas. O complexo conflito surgiu após uma decisão do presidente pró-Rússia da Ucrânia de renunciar à promessa de assinar um acordo com a União Européia em favor de uma aproximação com a Rússia.

Pompeo defendeu a posição de Trump sobre a Rússia em um depoimento perante os legisladores do comitê de relações exteriores. Os opositores internos do presidente, incluindo democratas e alguns republicanos no comitê, aproveitaram partes dos comentários de Trump em Helsinque para alegar que ele era brando com a Rússia.

Em sua declaração de abertura, Pompeo confrontou as críticas com uma série de ações que Trump tomou para enfrentar a agressão russa em todo o mundo.

A administração Trump emitiu 213 sanções contra entidades e indivíduos russos, expulsou 60 espiões russos, fechou consulados russos em São Francisco e Seattle, liderou ou participou de 150 exercícios militares na Europa, gastou US $ 11 bilhões na iniciativa de defesa européia, enviou armas defensivas para Ucrânia e Geórgia, e autorizou US $ 200 milhões em fundos de cooperação de segurança para a Ucrânia, disse Pompeo.

“Ele adotou um número impressionante de ações para proteger nossos interesses”, disse Pompeo. “Nada disso aconteceu nos oito anos que antecederam o Presidente Trump”

Trump também criticou a Alemanha por fazer um acordo de gasoduto com a Rússia que permitiria que Moscou cortasse a Ucrânia de um lucrativo contrato de transporte. Na cúpula de Helsinque, Putin disse que a Rússia está pronta para estender o contrato da Ucrânia até a resolução de uma disputa legal.

A informação listada por Pompeo é de conhecimento público, mas os oponentes de Trump em grande parte evitam esses fatos em favor de uma narrativa da mídia que o presidente supostamente conspirou com a Rússia. As alegações foram objeto de investigações por quase dois anos, mas não apresentaram nenhuma evidência ou indiciamento relacionado ao conluio.

O conselho especial Robert Mueller, que está investigando as alegações de conluio e interferência da Rússia na eleição de 2016, indiciou 12 oficiais de inteligência russos em 13 de julho, dias antes da reunião de Trump com Putin. A acusação alega que os policiais invadiram sistemas de computadores democratas, roubaram e-mails e arquivos, e disseminaram o saque com o objetivo de interferir na eleição presidencial.

Putin fez uma oferta a Trump para que a equipe de Mueller viajasse para a Rússia e questionasse os policiais em troca de permitir que policiais russos questionassem autoridades americanas suspeitas de irregularidades. Trump recusou a oferta dias após a reunião e expressou sua esperança de que os policiais comparecessem ao tribunal para serem julgados.

Pompeo reiterou aos legisladores que Trump aceita a avaliação de que a Rússia tentou interferir na eleição de 2016. Pompeo disse que falou pessoalmente a seus colegas russos em Helsinque que haverá consequências se Moscou tentar se intrometer novamente. Rússia nega as acusações.

Os oponentes de Trump o atacaram por se encontrar com Putin e o líder norte-coreano Kim Jong Un, citando a veia autoritária de Putin e o histórico de direitos humanos de Kim. Trump disse que a diplomacia e o engajamento são preferíveis à hostilidade e ao conflito. Pompeo disse aos legisladores que é do interesse de todos os Estados Unidos não ter um relacionamento contencioso com a Rússia.

Trump disse na semana passada que convidaria Putin para a Casa Branca para uma reunião no outono. Segundo o assessor de segurança nacional John Bolton, a reunião foi empurrada para o próximo ano, depois que a investigação de Mueller acabou.

“O presidente acredita que a próxima reunião bilateral com o presidente Putin deve ocorrer após a caça às bruxas na Rússia, então concordamos que será depois do primeiro dia do ano”, disse Bolton em um comunicado.

Nos dias após a cúpula de Helsinque, a Rússia divulgou testes de suas novas armas. Imagens ao estilo de Hollywood do Ministério da Defesa da Rússia mostraram um caça russo MiG-31 decolando de um aeródromo carregando o novo míssil hipersônico Kinjal e, em seguida, lançando-o no ar. O vídeo também mostrou o lançamento de um míssil movido a energia nuclear e um míssil com uma ogiva de manobra que supostamente pode viajar em torno de escudos de defesa de mísseis.

Os Estados Unidos e a Rússia detêm 90% das armas nucleares do mundo. Trump e Putin falaram da necessidade de evitar uma corrida armamentista, e Putin falou da necessidade urgente de trabalhar para estender o novo tratado START de redução de armas estratégicas.

A Reuters contribuiu para este relatório.

Fonte – Epoch Times

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO