Militantes de esquerda agridem pessoas em debate do Escola Sem Partido

0
261

Um rapaz e uma moça foram parar no hospital após sofrerem agressões de militantes de esquerda no centro de São Paulo durante de debate do Escola Sem Partido.

Maria Cecília Peraro e André Luiz de Almeida Santos, ambos de 34 anos e membros do Movimento Conservador, foram cercados por um grupo de ativistas de esquerda e encurralados na lanchonete que fica do lado de fora da USP do Largo São Francisco.

“A mulher foi agredida a socos e o homem foi agredido com um objeto contundente em sua cabeça, precisando tomar pontos.”, afirma o deputado.

Ambos foram encaminhados para a Santa Casa de Misericórdia em São Paulo. André tomou pontos na cabeça e Maria perdeu a audição do lado esquerdo.

A agressão foi relatada pelo deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) na noite de hoje (14/10) no perfil oficial dele no Facebook e em seguida procuraram o Terça Livre por telefone.

Abriram um buraco na cabeça dele! Ela está cheia de sangue dele!“, exclama Douglas.

André foi agarrado por trás por dois rapazes e espancado por outros três, enquanto isso Maria Cecília foi espancada do outro lado por uma moça e um homem.

Postagem do deputado no Facebook


Estou aqui no Hospital com ele…

Ocorreu hoje, na Universidade de São Paulo, um debate sobre o Projeto de Lei “Escola Sem Partido”.
Para falar favorável ao projeto, estavam presentes o Dr. Miguel Nagib, criador do Escola Sem Partido, e o Deputado Estadual Douglas Garcia.
Para falar contra o Projeto, estavam presentes os Senhores Gustavo Bambini e Nina Ranieri, ambos professores da USP.
Durante o debate, um homem e uma mulher, integrantes do Movimento Conservador, saíram das dependências da universidade para ir até uma lanchonete próxima, momento em que foram atacados covardemente por cerca de seis homens.
A mulher foi agredida a socos e o homem foi agredido com um objeto contundente em sua cabeça, precisando tomar pontos.
Além disso, ele teve a sua roupa rasgada pelos agressores.
Em um dia histórico de debate plural e democrático na Universidade de São Paulo, o que se viu foi mais um ataque covarde de grupos intolerantes e sectários que agridem outros seres humanos por pensarem de forma diferente.
Não é a primeira vez que membros do Movimento Conservador são covardemente agredidos. No ano de 2018, antes do início de uma palestra, um rapaz foi atacado por cerca de cinco esquerdistas com jatos de spray de pimenta nos olhos, golpes na cabeça e chutes, perto da estação de metrô Ana Rosa, na zona sul da cidade. Os seus agressores permanecem impunes.
https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2018/02/04/agressao-membro-grupo-bloco-de-carnaval-porao-do-dops.htm?fbclid=IwAR1NjuIAFklpJT07wJZ44Pk2RAqhpEqhldaRI31NM3ZwKmGWzO9QjwE43Yo
Até quando grupos homicidas de esquerda contarão com o beneplácito da impunidade?

Clique aqui para conferir a postagem original.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS