5 Estados americanos concordam em proibir que travestis compitam contra mulheres atletas

0
49

Até o momento, cinco estados concordaram com uma possível legislação que impedirá que homens biológicos, que se identificam como mulheres, compitam em esportes femininos nos EUA.

De acordo com o The Wall Street Journal, a legislação pré-arquivada ou introduzida nos estados americanos de New Hampshire, Washington, Geórgia, Tennessee e Missouri tentaria manter a competição esportiva feminina simplesmente para as atletas biologicamente femininas.

A legislação reflete a crescente preocupação de que os homens biológicos que competem como mulheres dominaram o esporte feminino onde competiram.

Por exemplo, desde 2017, em Connecticut, dois homens biológicos dominaram o atletismo feminino, conquistando 15 títulos de campeonatos estaduais que anteriormente eram detidos por 10 atletas biologicamente femininas de Connecticut.

No final do ano passado, a Big Sky Conference de Montana nomeou um corredor de cross-country do sexo masculino que se identifica como mulher como a Atleta da Semana.

Na Nova Zelândia, o levantador de peso transexual Laurel Hubbard ganhou medalhas de ouro no último verão nos Jogos do Pacífico em Samoa. Hubbard, que é um do sexo masculino e já havia competido como Gavin Hubbard, também ganhou duas medalhas de prata no campeonato mundial feminino, dois anos atrás. Ele espera competir nas Olimpíadas de Tóquio deste ano.

Essa invasão covarde de transexuais no mundo esportivo feminino está afetando diretamente atletas como Selina Soule, uma velocista nascida em Connecticut. De acordo com o The Blaze, Soule disse a Laura Ingraham, da Fox News, que a situação é “muito frustrante, porque eu dedico tanto tempo e me esforço para reduzir meus tempos e competir melhor, mas não sou fisicamente capaz de ser competitiva contra alguém biologicamente masculino”.

Questão de justiça

O representante do estado da Geórgia, Philip Singleton, republicano, cujo projeto de lei se concentra em esportes individuais, diz que é tudo uma questão de justiça, e seu projeto impediria que os homens biológicos tenham uma “vantagem injusta” se optarem por competir como mulheres, de acordo com ChristianHeadlines.com.

“O Student Athlete Protection Act foi desenvolvido para garantir que meninos biológicos só compitam em esportes contra outros meninos biológicos e vice-versa para meninas. A minha intenção é garantir que todos os alunos tenham a oportunidade de competir de maneira justa”, disse Singleton ao Atlanta Journal-Constitution.

A justiça é fundamental também para o deputado conservador do Tennessee, Bruce Griffey.

Ele disse ao The College Fix que também é motivado pela preocupação com a aprovação no início deste ano da ‘Lei da Igualdade’ pela Câmara dos Deputados dos EUA, e acredita que os estados devem “tomar uma posição”.

De acordo com o The Daily Caller, esta ‘Lei da Igualdade’, aprovada com o apoio unânime dos democratas [esquerda americana], tornaria a “identidade de sexo” uma categoria protegida pelas leis federais de combate à “discriminação”. Isso forçaria as escolas públicas a incluir homens biológicos que se identificam como meninas em equipes atléticas femininas. No entanto, é improvável que o projeto seja aprovado no Senado dos EUA, de maioria republicana [conservadora].

Segundo o jornal WSJ, a nova lei proposta pelos conservadores “restringiria o financiamento público a escolas que permitam a participação no atletismo com base na identidade de sexo declarada dos estudantes – em oposição ao sexo biológico de um aluno – e sujeitaria a desobediência de funcionários da escola a multas”.

Griffey disse ao WSJ que espera que sua proposta tenha uma boa chance de aprovação.

Falando ao The College Fix, Griffey expressou preocupação com a falta de definição para “transexuais”.

“Os estudantes podem se referir a si mesmos como transexuais, independentemente do estágio de ‘transição’ em que estão, se deram algum passo em direção à transição”, disse o deputado.

Estudos

Um novo estudo da Universidade de Otago, na Nova Zelândia levantou questões importantes sobre se o “estágio de transição” das atletas trans realmente importa no que diz respeito ao desempenho. O estudo mostrou que níveis reduzidos de testosterona em homens em transição ainda não os tornam iguais às mulheres.

A pesquisa, intitulada “Mulheres transexuais no esporte de elite: considerações éticas e científicas”, concluiu que os níveis reduzidos de hormônios masculinos, atualmente considerados aceitáveis ​​pelo Comitê Olímpico Internacional para atletas trans, não são suficientes para torná-lo justo para as mulheres atletas.

Reuters cita o estudo, afirmando que os níveis reduzidos de hormônios masculinos em “homens em transição” ainda são “significativamente mais altos” do que os das mulheres.

Os autores do estudo dizem, também, que a redução da testosterona não compensa outras características masculinas, como estrutura óssea, e maior tamanho e capacidade do pulmão e do coração, os quais dão ao atleta trans a vantagem biológica. Para torná-lo realmente justo, os autores do estudo sugerem que toda uma nova categoria seja criada para atletas transexuais competirem entre si.

O Instituto Karolinska, na Suécia, apresentou resultados semelhantes. Ele conduziu um estudo sobre homens que procuravam fazer a transição para a “mulher” transexual e relatou no ano passado que, mesmo após um ano de tratamento para a “transição sexual” (supressão da testosterona), força muscular, tamanho e composição, ainda resultavam em vantagem para as “mulheres” trans em relação às mulheres biológicas. Ninguém sabe quanto tempo um homem deve estar sob esse tratamento antes que o campo de jogo esteja nivelado, ou se ele realmente poderá algum dia estar nivelado.

Olimpíadas

Esses tipos de resultados causaram uma grande preocupação ao Comitê Olímpico Internacional (COI).

O jornal The Guardian informou em setembro que se esperava que o COI diminuísse o nível de testosterona permitido aos homens em transição para competir contra as mulheres. Com descobertas como essa, no entanto, alguns estão discutindo que o que foi planejado não é suficiente para torná-lo justo.

As diretrizes atuais dizem que a exigência de nível de testosterona deve estar abaixo de 10 namol/l por pelo menos 12 meses. Os níveis de testosterona nas mulheres tendem a variar entre 0,12 e 1,79 nmol / l, enquanto os homens estão tipicamente entre 7,7 a 29,4 nmol / l. Um membro do COI sugeriu reduzir os níveis permitidos para a transição de homens para 5nmol / L, abaixo da maioria dos homens, como um compromisso. O COI adiou uma decisão final porque ninguém parece concordar porque é tão “politicamente sensível”.

O que quer que aconteça com essas leis nos vários estados dos EUA, a controvérsia sobre atletas transexuais provavelmente não será resolvida tão cedo. As Olimpíadas de Tóquio começam em julho.

Algumas atletas de alto nível, como a excelente tenista Martina Navratilova, a olímpica britânica Kelly Holmes e a maratonista Paula Radcliffe, alertaram que permitir que mulheres trans compitam contra mulheres biológicas nunca pode ser justo e potencialmente causará grandes danos ao esporte feminino.

A nadadora olímpica britânica de 1980, Sharron Davies,  disse ao Guardian: “Acredito que exista uma diferença fundamental entre o sexo com o qual você nasceu e o sexo com o qual você pode se identificar. Para proteger o esporte feminino, as pessoas com vantagem sexual masculina não devem poder competir no esporte feminino”.

Realidade

No quadro geral, o cristianismo vê o debate sobre identidade de sexo como uma batalha sobre o que é real e o que não é – em outras palavras, como somos criados.

O evangelista americano Franklin Graham diz que o caos sexual que se desenrola diante de todos é o resultado da sociedade abandonando os ensinamentos básicos da Bíblia, e vai muito além do esporte.

“Os grupos de mulheres estão justamente pedindo às autoridades esportivas que acordem para essa injustiça. Eu concordo, mas acho que o despertar precisa ir muito mais longe. Pais, professores, autoridades locais … todo mundo precisa acordar para os perigos da mentira da transexualidade. Deus criou homem e mulher. Somos feitos diferentes, até o nosso DNA”, disse Graham.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS