Esquerda espanhola cria “espaços sem judeus” em 58 cidades

0
607

Movimento visa boicotar empresas, profissionais, artistas e tudo o que se relacionar ao povo judeu

Em 58 cidades espanholas, governadas pelos partidos de esquerda Podemos, IU e PSOE, estão vigorando os chamados “Espaços Livres de Apartheid Israelense” (ELAI), movimento que visa boicotar empresas, profissionais, artistas e tudo o que se relacionar ao povo judeu.

As moções desrespeitam as leis que protegem judeus contra a discriminação, mas mesmo assim foram aprovadas nas cidades lideradas pelos três principais partidos de esquerda do país. O crescimento do antissemitismo na Europa está intimamente ligado com a campanha pró-imigração, já que seus defensores são os mesmos que criticam Israel e apoiam radicalismos islâmicos.

Na divulgação da campanha, no site Boicotisrael.net, os argumentos fazem questão de se autointitular “anti-racistas”, já que é um protesto contra o muro construído entre Israel e a Palestina. Os ativistas questionam o direito de Israel separar-se dos povos palestinos, mesmo diante de ataques terroristas contra o país vindos das áreas palestinas, onde atuam inúmeras células terroristas que desejam a extinção do Estado de Israel.

Na prática, judeus e entidades ligadas a Israel estão sendo discriminadas e expulsas da cidades europeias que aderem à campanha, que lembra a macabra perseguição aos judeus na Alemanha nazista.

As decisões políticas que restringem os acordos comerciais com israelenses têm sido aplicadas desde 2015. Nos documentos, se impunha o reconhecimento de um Estado Palestino pelos artistas da famosa companhia Mayumana, se eles quisessem ser contratados ou ter um teatro público para o seu musical, informou o site da revista Bras.il.

Essas restrições não ocorrem apenas em pequenas cidades despovoadas. O ELAI também está presente em cidades como Cádiz, Barcelona, ​​Pamplona, ​​Valência, Gijón, Santiago de Compostela, Rivas-Vaciamadrid e Gran Canaria.

As intenções das políticas locais foram concretizadas, dando origem a episódios anômalos e discriminatórios em uma democracia liberal como a espanhola. Assim, o prefeito de Cádiz, José María González, também conhecido como Kichi, cancelou um ciclo de filmes israelenses depois de ingressar na rede ELAI. Ele fez isso abertamente e disse que o conselho da cidade não contrataria ninguém de Israel para nenhuma atividade. Kichi negou que ele fosse “xenofóbico” porque estava lutando precisamente “contra a xenofobia dos israelenses”, informou o site.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO