Professora feminista que pratica ocultismo pede extinção humana para salvar planeta

0
1617
A professora Patricia MacCormack faz uma palestra sobre “Deamonitalia Vulvic” na Universidade Queen Mary de Londres em 2017.

Patricia MacCormack defende a “eliminação gradual da reprodução” como a única solução para a “mudança climática”

Em 23 de janeiro de 2020, a Bloomsbury Academic publicou um apelo à ação de todos aqueles que se preocupam com a “mudança climática”. O manifesto Ahuman: ativismo pelo fim do antropoceno de Patricia MacCormack, professora de A filosofia continental da Universidade Angelia Ruskin, segue direto ao assunto e defende a solução definitiva para o aquecimento global: o fim da raça humana. Para MacCormack, “Extinção Rebelião” tem um significado totalmente diferente.

MacCormack, que admite ser um “mágico ocultista”,  não é o tipo de ativista climático que acredita que devemos salvar o planeta para nossos filhos.

Na verdade, ela não acha que deveria haver filhos.

Um pesquisador que “publicou nas áreas da filosofia continental … feminismo, teoria queer, teoria pós-humana, filme de terror, modificação corporal, direitos dos animais / abolicionismo, cinesexualidade e ética”, MacCormack certa vez argumentou que os animais são iguais aos seres humanos. Agora, ela está argumentando que os humanos deveriam sair completamente do caminho.

O resumo de seu livro descreve sua tese desta forma : “ativismo de desmoronamento, a prática artística e ética afirmativas, enquanto a introdução de alguns fenômenos especificamente modernas como cultos de morte, interseccional identificar política e escravidão capitalista de humano e organismos não-humanos a ponto de ‘zombiedom’, o O Manifesto Ahuman navega nas maneiras pelas quais devemos compor o ser humano de maneira diferente, especificamente além do niilismo e pós-trans-humanismo e fora do privilégio humano. Isso é para que possamos pensar ativamente e viver visceralmente, com conectividade (real, não virtual), e com paixão e graça, em direção a um novo mundo.

Feministas evangélicas dizem que trechos bíblicos sobre submissão foram manipulados

Todo esse absurdo, mais ou menos traduzido, é que o ponto culminante do progresso humano deve ser a extinção humana. O que MacCormack está tentando fazer é apresentar “o apocalipse como um começo otimista”, mas para outras espécies, que terão um desempenho muito melhor quando todos estivermos mortos, uma eventualidade que ela considera positivamente maravilhosa. Seu livro, de acordo com o Cambridge News , “argumenta que, devido aos danos causados ​​a outras criaturas vivas na Terra, devemos começar gradualmente a eliminar a reprodução”.

(Com LifeSite)

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO