A pandemia do coronavírus tem um culpado: a China

0
92

Não podemos solucionar o problema de pandemias sem a participação do regime autoritário que governa 20% da humanidade

Só se fala do coronavírus, mas já estou pensando na próxima pandemia e em como lidar com ela. Isso porque, num mundo cada vez mais interligado, pode ter certeza que haverá outra. E de onde virá? Não sabemos, mas podemos especular, olhando para as origens das anteriores: a gripe de 1958 veio da China, a gripe de 1968 veio da China, em 2002 o Sars veio da China, a gripe suína de 2009 provavelmente veio da China, e agora o Covid-19 veio da China.

“NÃO PODEMOS SOLUCIONAR O PROBLEMA DE PANDEMIAS SEM A PARTICIPAÇÃO DO REGIME AUTORITÁRIO QUE GOVERNA 20% DA HUMANIDADE”

­
­

Só que o Partido Comunista, que acha que não precisa prestar contas a ninguém, tem adotado uma postura beligerante — veja o que aconteceu quando Eduardo Bolsonaro ousou dizer algumas verdades nuas e cruas — e não coopera com o resto do mundo. No mês passado, reclamei da resistência dos chineses em colaborar com a OMS e as demais agências especializadas. Agora a situação mudou, mas não muito: dados começaram a fluir, mas, como sempre na China, parecem maquiados, não são confiáveis, e a presença de estudiosos independentes continua severamente restrita. Mesmo assim, o diretor da OMS tem proferido elogios pelas parcas informações, com medo de ofender os chineses e ter a porta fechada novamente.

Como é praxe nas ditaduras, a reação oficial à crise, inicialmente muito lenta, pulou de 8 a 80. Depois de fingir durante dois meses que nada estava errado, o governo decretou uma série de medidas drásticas: milhões em quarentena obrigatória, a construção de novos hospitais em apenas dez dias e censura ainda mais ferrenha da internet, borrando qualquer crítica do descaso inicial e impossibilitando a troca de informações entre populares e governantes. Como o presidente da Câmara Europeia de Comércio em Pequim declarou ao New York Times, “a caixa de ferramentas dos chineses parece ter nada mais que martelos”.

Pior ainda, defensores do regime têm sustentado que as críticas ao país e à maneira como a crise foi enfrentada lá são racistas. Não são. Ninguém está reprovando Taiwan, Hong Kong ou Cingapura — a maioria de seus cidadãos também têm ascendência chinesa — pelas políticas de seus governos. Não, o alvo é apenas a República Popular da China (RPC) — que de “república” ou “popular” não tem nada.

Há várias outras incoerências na resposta da RPC que devem preocupar a todos nós. Depois de condenar medidas de outros países para evitar que o vírus se alastre — evacuação de estrangeiros de Wuhan, proibições à entrada de chineses — como alarmismo indevido, a China tomou as mesmas providências assim que o número de casos lá começou a cair. Ao mesmo tempo, lançou uma campanha para semear dúvidas sobre as origens do vírus: um porta-voz da chancelaria declarou que na verdade ninguém tem certeza de onde veio o vírus, e no dia 12 outro, usando um aplicativo bloqueado na China, tuitou que “talvez tenha sido o Exército Americano que trouxe o vírus a Wuhan” e que Washington “nos deve uma explicação!”.

Mas, enquanto Donald Trump e Jair Bolsonaro sofrem críticas duras (e justificadas) por terem atrapalhado a resposta de seus governos, a televisão estatal chinesa (não existe outra) mostra famílias em quarentena, em cenas claramente encenadas, aplaudindo de suas janelas o máximo líder, o infalível Xi Jinping — o principal responsável pela propagação mundial da doença. E, com a crise aparentemente começando a minguar, o aparelho de propaganda passou, inclusive, a exigir o agradecimento do resto do mundo à China, que “sozinha, com sua própria força, barrou decididamente a epidemia”. É muita cara de pau.

Na verdade, se existe racismo, é por parte dos próprios chineses. Em 1982, fui direto do Rio de Janeiro para ser correspondente em Pequim e senti na pele a xenofobia e o desprezo que infectam a sociedade chinesa. Brasil e Estados Unidos são países pluralistas, uma “geleia geral”, para roubar a frase genial de Gilberto Gil, de várias raças, etnias, povos e religiões. A China não: de seu 1,4 bilhão de habitantes, 92% são da etnia han, ensinados a pensar que, como detentores de uma civilização de 5 mil anos, são superiores aos demais. Na rua, os poucos negros foram rotineiramente chamados de “macacos”, os japoneses de “bárbaros peludos” e os brancos de “yangguidz”, ou “demônios-fantasmas de além-mar”.

A China tem o direito de se governar do jeito que quiser. Mas não pode, de jeito nenhum, brincar com a saúde do resto do mundo só para proteger os interesses de uma elite que acha que todo mundo que não é han é inferior. Aí está o grande perigo. O Covid-19 vai passar. A prepotência da RPC, não.

Larry Rohter, jornalista e escritor, é ex-correspondente do “New York Times” no Brasil e autor de “Rondon, uma biografia”

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO