Relação “poliamorosa” com 5 indivíduos acaba em abuso infantil

Criança teve perna, braço e crânio fraturados. Agressor participou do documentário "Ame, não julgue"

0
328

A americana Tori Ojeda, resolveu quebrar tabus e ter um relacionamento poliamoroso com mais quatro homens.

Tori virou estrela nos noticiários pelo ato progressista.

Mas a história não teve final feliz.

No decorrer da relação coletiva, Tori teve um filho com um dos parceiros, Cristopher – descobriu a paternidade pela data no rodizio de parceiros: “Chris é o pai biológico. Sabemos pela data da concepção. Estávamos de férias só nós dois”.

Apesar de Chris ser o pai biológico, Ojeda casou-se com Travis, outro membro do quarteto. E seguiu praticando o poliamor.

Algum tempo depois, no dia 15 de março, o bebê de Ojeda foi parar num hospital com perna, braço e crânio fraturados.

No decorrer da investigação, a polícia descobriu que um outro parceiro da turma, Ethan Baucom, 22 anos, foi o responsável pelas agressões que causaram as fraturas e os múltiplos sangramentos cerebrais.

No relatório policial, Baucom conta que que estava “frustrado” por não conseguir dormir enquanto “cuidava” do bebê e que esse foi o motivo do ataque. À mãe da criança, o agressor contou que apenas “espremeu” o bebê.

Foi Ojeda quem o denunciou para o Departamento de Crianças e Famílias da Flórida.

De acordo com summit.news, há esperança de que o bebê se recupere completamente, sem danos permanentes.

Baucom está preso.

Tori, Crhis, Baucom, poliamor, abuso infantil

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO