Apreender celular de Bolsonaro seria ‘inadmissível’, diz Heleno

0
22

“Poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”, alerta Heleno.

Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), comentou, nesta sexta-feira (22), sobre o pedido encaminhado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, à Procuradoria-Geral da República (PGR).

Mello enviou ao procurador-geral Augusto Aras uma requisição apresentada por parlamentares de oposição para apreender o celular do presidente da República, Jair Bolsonaro, e do filho Carlos Bolsonaro.

Em nota à nação brasileira, Heleno disse que apreender o celular de Bolsonaro seria uma “afronta à autoridade máxima do Poder Executivo e interferência inadmissível de outro Poder” e que “poderá ter consequências imprevisíveis”.

O ministro-chefe do GSI afirmou que “o pedido de apreensão do celular do presidente da República é inconcebível e, até certo ponto, inacreditável”.

O general fez um “alerta” para autoridades de outros Poderes de que “tal atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.

Confira abaixo a nota de Heleno:

Imagem: Reprodução/GSI

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS