China usa robôs e câmeras para impedir violações da quarentena

As autoridades do regime comunista tomaram medidas drásticas para garantir que as pessoas não violem a quarentena.

0
23

Robôs fazendo o monitoramento e câmeras apontadas para as portas da frente das residências: os métodos da China para reforçar a quarentena durante a pandemia de coronavírus parecem uma distopia de filmes de ficção científica.

As autoridades do regime comunista tomaram medidas drásticas para garantir que as pessoas não violem as regras de isolamento mesmo após a China supostamente vencer a batalha contra o vírus, que já infectou milhões de pessoas mundo afora.

Com os casos importados do exterior ameaçando uma nova onda de infecções no território chinês, os viajantes que chegam do exterior precisam ficar em casa ou em hotéis por um período de 14 dias.

Pequim afrouxou as regras de isolamento na capital nos últimos dias — exceto para aqueles que chegaram do exterior e em Hubei, a província onde o vírus apareceu pela primeira vez no final do ano passado.

Em um hotel de quarentena no centro de Pequim, por exemplo, guardas ficam sentados em mesas localizadas em cada andar. O trabalho deles é monitorar todos os movimentos dos hóspedes, destaca o portal Yahoo!.

Enquanto robôs navegam pelos corredores dos hotéis fazendo entregas, minimizando ainda mais o contato entre os hóspedes e a equipe humana, médicos em trajes de proteção vão de quarto em quarto diariamente, medindo a temperatura dos hóspedes.

Além disso, alarmes eletrônicos silenciosos estão sendo instalados nas portas dos chineses sob observação para uma possível infecção por Covid-19, como noticiou a RENOVA.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS