China usou redes sociais para espalhar pânico nos EUA

Agências de inteligência dos EUA estão estudando a participação da China em campanhas de desinformação no país.

0
120

Em meados de março, durante o início da pandemia de coronavírus nos Estados Unidos, mensagens alarmantes apareceram nas telas de celulares e nos feeds das redes sociais de milhões de cidadãos norte-americanos.

As mensagens diziam: “Espalhem a notícia. O governo Trump está prestes a bloquear todo o país”.

Citando uma suposta fonte no Departamento de Segurança Interna dos EUA, uma das mensagens alertava:

“Eles farão o anúncio assim que tiverem tropas para ajudar a evitar saqueadores e manifestantes. Ele disse que recebeu a ligação ontem à noite e lhe disseram para fazer as malas e estar preparado para a ligação hoje com suas ordens de expedição.”

As mensagens se tornaram tão virais ao longo de 48 horas que a Casa Branca emitiu um anúncio via Twitter informando que as mensagens eram “FALSAS”.

As agências de inteligência dos Estados Unidos avaliaram que agentes da China ajudaram a divulgar as mensagens falsas através das plataformas digitais, informa o jornal New York Times.

Oficiais de inteligência dos EUA também estão examinando se espiões nas missões diplomáticas da China ajudaram a espalhar as falsas mensagens de “lockdown”.

As técnicas de amplificação de conteúdo utilizada pelos chineses alarmaram as autoridades norte-americanas, porque a desinformação apareceu como texto nos celulares de muitos cidadãos dos EUA, uma tática nova que as autoridades disseram nunca ter visto antes.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO