Estadão associa manifestantes de verde e amarelo com milícia nazista

Em uma escalada na retórica contra os atos pró-Bolsonaro, jornal associa manifestantes vestindo verde e amarelo com nazistas.

0
29

“Os camisas pardas do bolsonarismo vestem verde e amarelo”, diz a primeira frase de editorial publicado, nesta terça-feira (5), pelo jornal Estadão.

Os “camisas-marrons” ou “camisas-pardas” faziam parte de uma milícia paramilitar durante o período em que o ditador Adolf Hitler exercia o poder na Alemanha Nazista.

Ainda de acordo com o editorial intitulado “Selvagens”, o jornal brasileiro acrescenta:

“As cenas de selvageria protagonizadas por esses delinquentes travestidos de patriotas durante manifestação com o presidente Jair Bolsonaro em Brasília, ao agredir o repórter fotográfico do Estado Dida Sampaio e outros profissionais de imprensa, envergonham a Nação.”

E, citando o presidente da República, Jair Bolsonaro, completa:

“Só há um responsável direto pela espiral de afronta à democracia por parte dos desordeiros com camisas da seleção brasileira – este é o sr. Jair Bolsonaro.”

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO