Jornalista da Globo questiona números da Covid-19 no Brasil: “Qual é a real?”

0
106

A declaração ocorreu nesta quinta-feira (14).

O apresentador do Bom Dia São Paulo, da Rede Globo, Rodrigo Bocardi, criticou as autoridades políticas e até mesmo os veículos comunicação ao dizer que após a pandemia do coronavírus no  Brasil, tudo agora é registrado como morte de Covid-19.

Ao abordar o assunto, Bocardi relembrou o caso do sambista Davi Corrêa, que foi atropelado, mas teve a morte registrada como Covid-19.

“A gente não sabe, aqui no nosso país, exatamente quem morre por Covid-19. Ontem eu vi, no Rio de Janeiro, e fiquei chocado. Um senhor, de uma escola de samba, foi atropelado, teve problema no pulmão, duas vezes deu negativo o resultado para Covid-19, e ele morreu de Covid. Ele entrou para os índices de Covid”, relatou.

E acrescentou:

“Então, qual é a real? As pessoas estão morrendo de outra coisa, mas é Covid? Precisamos ter essa clareza!”, apontou o jornalista.

A colega de bancada, a jornalista Glória Vanique, pareceu  ficar surpreendida com a declaração, chegando a concordar com a cabeça, fazendo o sinal de balanço.

Repercussão

A declaração do jornalista repercutiu nas redes sociais e dividiu o público, principalmente internautas conservadores.

Para uns, a posição de Bocardi vai contra o alinhamento da emissora, surgindo como uma espécie de desabafo. Para outros, tudo não passou de uma ‘estratégia’ da Globo para ‘pescar’ a atenção dos telespectadores descontentes com o jornalismo do grupo.

A atitude de Bocardi chegou a ser elogiada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro. No Twitter, Eduardo disse que âncora pode ter frustrado a agenda de jornalismo da emissora.

“Sincericídio não é tolerado na Globo. Temo pelo emprego do jornalista Rodrigo Bocardi por ter falado essas verdades e criticado a cobertura sobre o COVID na própria TV em que trabalha, a Globor”, escreveu Eduardo.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO