Nazismo, fascismo e socialismo estão todos arraigados no comunismo

0
373
Adolf Hitler e Benito Mussolini caminham em frente a soldados em Veneza, na Itália, em junho de 1934 (Istituto Nazionale Luce)

Mussolini e Hitler identificaram o socialismo como o núcleo do estilo de vida fascista e nazista

O conceito de “extrema esquerda” que se opõe a uma “extrema direita” é falso. Os sistemas colocados nos dois extremos desse espectro, incluindo o socialismo, o fascismo e o nazismo, estão todos enraizados no comunismo. E todos compartilham crenças em conceitos comunistas centrais, incluindo o coletivismo estatal, economias planejadas e luta de classes.

Todos eles eram apenas interpretações diferentes do marxismo e influenciaram significativamente a política global logo após a Primeira Guerra Mundial, numa época em que as ideias de Karl Marx não se materializaram e as ideias comunistas precisaram ser revistas.

No entanto, antes de entrarmos na história desses sistemas divergentes precisamos primeiro entender a divisão entre o socialismo e o comunismo.

O socialismo foi descrito na teoria de Marx dos cinco estágios da civilização. Depois que ele ajudou a estruturar o conceito de “capitalismo” como uma sociedade na qual as pessoas são capazes de negociar livremente, ele propôs que após o capitalismo viria o estágio do “socialismo”, seguido pelo “comunismo”.

O socialismo foi o palco que Vladimir Lenin descreveu como o “monopólio do capitalismo de estado”, no qual uma ditadura tomou o controle de todos os meios de produção.

A ideia era que um regime comunista usaria o poder absoluto da “ditadura do proletariado” socialista para destruir todos os valores, todas as religiões, todas as instituições e todas as tradições, o que teoricamente levaria à “utopia” comunista.

Em outras palavras, o socialismo é o sistema político e o comunismo é o objetivo ideológico. É por isso que os seguidores do comunismo argumentam que o “verdadeiro comunismo” nunca foi alcançado. Até agora, o sistema não conseguiu destruir totalmente a moral e as crenças humanas, embora tenha tirado a vida de mais de 100 milhões de pessoas nos últimos 100 anos.

“Antes da Revolução Russa de 1917, ‘socialismo’ e ‘comunismo’ eram sinônimos”, afirma Bryan Caplan, professor associado de economia na George Mason University, no capítulo sobre o comunismo em “The Concise Encyclopedia of Economics”.

“Ambos se referiam a sistemas econômicos em que o governo possui os meios de produção”, afirma Caplan. “Os dois termos divergiram de significado, em grande parte como resultado da teoria e prática política de Vladimir Lenin.”

É claro que as falhas das previsões de Marx também deram origem às muitas interpretações do comunismo que surgiram após a Primeira Guerra Mundial. Elas incluíram o leninismo, o fascismo e o nazismo.

Enquanto o mundo ferveu na turbulência que levou à Primeira Guerra Mundial entre 1914 e 1918, muitos comunistas olharam para as palavras de Marx, que no “Manifesto Comunista” de 1848 disse: “Trabalhadores do mundo, unam-se”.

No entanto, os trabalhadores do mundo não se uniram, pelo menos não como Marx imaginou. Em vez de se unirem atrás do comunismo, eles em grande parte se uniram em prol de seus respectivos reis e países.

Além disso, o sustento dos trabalhadores melhorou sob o capitalismo, em oposição às previsões de Marx de que se tornaria pior. Então, quando a revolução comunista aconteceu, isso não aconteceu nas sociedades “capitalistas de estágio final” que na época eram a Grã-Bretanha e a Alemanha, mas sim na Rússia.

E, em vez da Revolução Bolchevique ser o “proletariado” contra a “burguesia” como Marx previu, ela foi na verdade os militares e a intelligentsia contra o sistema czarista feudal russo .

A série de eventos refutou amplamente as previsões de Marx e fez com que os comunistas da época ficassem sem ação, como foi observado por Dinesh D’Souza em seu livro The Big Lie: Exposing the Nazi Roots of the American Left (“A Grande Mentira: Expondo as Raízes Nazistas da Esquerda Americana”), que entrou para a lista dos livros mais vendidos.

Depois de Lenin, o próximo revisionista comunista a tomar o palco mundial foi Benito Mussolini, que tirou da Primeira Guerra Mundial a lição de que o nacionalismo era mais unificador do que a ideia de uma revolução operária. Assim, ele revisou o marxismo em seu novo sistema de fascismo, usando o princípio coletivista de “fasci”, que se refere a um feixe de varas reforçando o cabo de um machado.

Mussolini explicou seu conceito em sua autobiografia de 1928 na qual ele afirma: “O cidadão no Estado fascista não é mais um indivíduo egoísta que tem o direito anti-social de se rebelar contra qualquer lei da coletividade”.

De acordo com “Rússia sob o regime bolchevique”, de Richard Pipes, “nenhum socialista europeu proeminente antes da Primeira Guerra Mundial se parecia mais com Lenin do que com Benito Mussolini. Como Lenin, ele liderou a ala anti-revisionista do Partido Socialista do país; como ele, acreditava que o trabalhador não era, por natureza, um revolucionário e precisava ser estimulado à ação radical de uma elite intelectual”.

Então, logo depois, Adolf Hitler emergiu com seu sistema socialista rotulado sob a bandeira do “socialismo nacional”.

Aproveitando o fato de que o povo alemão tinha sido dividido por novas fronteiras nacionais estabelecidas pelo armistício, Hitler usou a política de identidade para reunir seus seguidores.

As políticas do Partido Nazista seguiram o modelo comunista, observa D’Souza, e o programa de 25 pontos incluiu educação e saúde universais gratuitas, nacionalização de grandes corporações e custódias, controle governamental de bancos e crédito, divisão de grandes propriedades rurais em unidades menores e políticas semelhantes.

Além disso, afirma D’Souza, “Mussolini e Hitler identificaram o socialismo como o núcleo do estilo de vida fascista e nazista da Weltanschauung. Mussolini foi a principal figura do socialismo revolucionário italiano e nunca renunciou sua lealdade a ele. O partido de Hitler definiu-se como defensor do “socialismo nacional”.

Como todos os outros ideólogos comunistas, Hitler também se opunha violentamente ao sistema capitalista tradicional. Assim como Lenin culpou fazendeiros ricos e Mao Tsé-tung culpou os latifundiários, Hitler transferiu a culpa para um único grupo de pessoas: os judeus.

Como afirma D’Souza, “o anti-semitismo nazista surgiu do ódio de Hitler pelo capitalismo. Hitler traça uma distinção crucial entre o capitalismo produtivo que ele podia suportar e capitalismo financeiro que ele associava aos judeus”.

O conflito que mais tarde ocorreu entre os vários sistemas durante a Segunda Guerra Mundial não foi uma batalha de ideologias opostas, mas uma luta sobre a qual a interpretação do comunismo prevaleceria.

De acordo com “The Road to Serfdom”, de F.A. Hayek, “o conflito entre os partidos socialistas fascistas ou nacional-socialistas e os mais velhos deve, de fato, ser amplamente considerado como o tipo de conflito que deve surgir entre facções rivais socialistas”.

Podemos agradecer ao revisionismo histórico e à abundância de ginástica mental para a narrativa atual de que o socialismo é de alguma forma separado do nazismo e do fascismo e, mais ainda, a crença de que esses conceitos estão de alguma forma divorciados de suas origens comunistas.

D’Souza atribui essa mudança de narrativa ao que Sigmund Freud chamou de “transferência”, baseada em sua ideia de que as pessoas que cometem atos terríveis frequentemente transferem a culpa para os outros, acusando os outros, incluindo suas vítimas, de serem o que eles são.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO