Depois de Covid-19, China reporta caso de peste bubônica

0
138

Doença, transmitida pela pulga de roedores, dizimou um terço da Europa durante a Idade Média e foi identificada na fronteira com a Mongólia

As autoridades locais da Mongólia Interior, região do norte da China, confirmaram no início desta semana que um pastor está infectado com a peste bubônica, popularmente conhecida como peste negra, doença que, durante a Idade Média, levou à morte um terço da população da Europa. O caso, porém, é estável.

O pastor foi diagnosticado com a doença no domingo 5 em Bayannur, cidade com cerca de 1,6 milhão de habitantes. Ele está atualmente sob tratamento em um hospital.

O governo municipal alertou os cidadãos para não caçar animais roedores nem se alimentar deles. A população local também foi recomendada a reportar qualquer roedor morto que encontrar.

A cidade ficará até o final do ano sob medidas de prevenção de pragas, que não devem envolver nenhum isolamento social, como as quarentenas adotadas para contenção da Covid-19.

No final de junho, dois casos de peste bubônica já haviam sido reportados na Mongólia, país que faz fronteira com a região homônima da China, envolvendo pessoas que consumiram carne de marmota. Os doentes em ambos os casos também estão em situação estável.

Causada pela bactéria Yersinia pestis, a peste bubônica não é transmitida entre pessoas, mas pelo contato com pulgas infectadas, que costumam ser encontradas em roedores, como as marmotas e os ratos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a peste bubônica é fatal em cerca de 30% a 60% dos casos não tratados. Durante a Idade Média, devido à precariedade das condições sanitárias, pelo menos 70 milhões de europeus, um terço da população do continente, morreu pela doença.

A OMS chegou a classificar a “peste” — classificação que envolve a peste bubônica e uma outra doença semelhante chamada peste pneumônica — como uma infecção re-emergente em 2018 depois de 3.248 casos, incluindo 584 mortes, terem sido reportados em todo o mundo entre 2010 e 2015.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO