Mais de 900 cruzes de igrejas sāo removidas enquanto a perseguição religiosa na China continua

0
78

O ano de 2020 acabou sendo um período bastante turbulento e o mundo ainda está lutando para sobreviver à devastação do vírus do PCC que está se espalhando pelo globo, afetando mais de 11 milhões de vidas nos Estados Unidos e mais de 55 milhões no mundo.

No entanto, apesar da pandemia, o Partido Comunista Chinês (PCC) não parou uma única vez de atacar os crentes religiosos na China, sejam eles cristãos, praticantes do Falun Dafamuçulmanos uigures ou budistas tibetanos.

Enquanto as pessoas ao redor do mundo celebram e se alegram com o Natal nesta época, não vamos esquecer alguns dos graves incidentes de perseguição que os cristãos na China sofreram este ano.

Todas as cruzes que são mais altas do que os edifícios do governo devem ser demolidas porque ofuscam as instituições do Estado. — Um membro anônimo da igreja da China

Eles removem mais de 900 cruzes

O PCC removeu mais de 900 cruzes de igrejas estatais no primeiro semestre do ano, apenas na província de Anhui, de acordo com a Bitter Winter, uma revista sobre liberdade religiosa e direitos humanos na China.

“Eles fizeram uma ordem para remover todos os símbolos cristãos como parte da campanha de repressão do governo”, disse um funcionário do estado à Bitter Winter.

Cruz removida da Igreja Hancheng no Condado de Hanshan, 28 de abril de 2020 (Cortesia de Bitter Winter)
Cruz removida da Igreja Hancheng no Condado de Hanshan, 28 de abril de 2020 (Cortesia de Bitter Winter)

Quando a cruz da Igreja de Hanshan County Hancheng foi removida em abril, um membro da igreja revelou ao Bitter Winter que os funcionários do Departamento de Trabalho da Frente Unida disseram que “todas as cruzes que são mais altas do que os edifícios do o governo devem ser demolidas porque obscurecem as instituições do Estado”.

“Apenas igrejas que parecem empresas são consideradas legais. Para ‘sincronizar’ o Cristianismo, Xi Jinping não permite que as igrejas tenham cruzes ocidentais”. O membro anônimo acrescentou que um ancião da igreja foi avisado de que protestar contra a demolição da cruz equivaleria a “protestar contra o governo”.

Outros membros anônimos da igreja disseram à revista que se a congregação desobedecesse às ordens do Partido Comunista, sua igreja seria fechada e eles “poderiam perder seus benefícios sociais, como pensões e subsídios para redução da pobreza”. O futuro emprego de seus filhos também pode ser afetado.

“A cruz é um símbolo da igreja e se for removida, quem poderia distingui-la de outros edifícios?” Disse um membro da igreja.

As igrejas na província de Jiangxi também não foram poupadas da repressão. A revista relatou que mais de 100 pessoas, incluindo funcionários do governo e policiais, demoliram à força a cruz da Igreja da Graça no condado de Zixi em 11 de setembro de 2019. Aos membros da igreja que tentaram tirar fotos da demolição teiveram seus celulares apreendidos.

Na primeira metade de 2020, as cruzes foram removidas de várias igrejas dos Três Autos na província de Anhui (Cortesia de Bitter Winter)
Na primeira metade de 2020, as cruzes foram removidas de várias igrejas dos Três Autos na província de Anhui (Cortesia de Bitter Winter)

Igrejas invadidas e fechadas

Além da demolição das cruzes, o regime chinês invadiu e fechou muitas igrejas domésticas e igrejas estatais em todo o país. As autoridades também confiscaram as Bíblias, relatou Bitter o Winter.

Em uma operação policial na província de Shaanxi em julho deste ano, uma dúzia de membros de igrejas domésticas, incluindo menores de 8 a 11 anos, foram detidos sob custódia policial para interrogatório; enquanto em setembro, oito policiais e oficiais do governo correram para uma igreja doméstica do condado de Liangshan na cidade de Jining, declarando que estavam em “uma reunião ilegal”. As autoridades os advertiram “para acreditar no Partido Comunista se você precisa acreditar”.

“Forçando-me a remover o retrato do Senhor Jesus, o governo tentou impedir minha crença em Deus, mas não pôde remover a fé do meu coração”
— – Uma idosa da cidade de Yingtan, província de Jiangxi

De acordo com a Radio Free Asia (RFA), em maio, a polícia local da cidade de Xiamen invadiu uma igreja doméstica, realizada em uma residência privada, e deteve nove pessoas. O pastor Yang Xibo disse à RFA que a polícia havia invadido sem mostrar nenhuma identificação e sem qualquer mandado.

“A polícia de segurança do estado bateu na porta, então eles a quebraram e arrastaram aqueles que estavam no caminho para fora da porta, arrastando-os pelo chão”, disse Yang acrescentando que alguns dos membros ficaram feridos durante a tentativa de recusa da igreja em aderir ao Movimento Patriótico das Três Autônomas aprovado pelo Estado.

As igrejas que foram fechadas foram posteriormente alugadas, vendidas ou reaproveitadas pelas autoridades locais. Em junho, uma igreja dos Três Autônomos aprovada pelo estado na província de Jiangsu foi transformada em um memorial para lembrar o Exército Vermelho, enquanto a igreja de Chenzhuang foi vendida por apenas 20.000 yuans (US $ 3.000) em julho, informou o Bitter Winter.

Relate os crentes para receber recompensas monetárias

Desde 1999, o regime chinês tem seguido outra violenta supressão da fé: a campanha de perseguição contra os praticantes do Falun Dafa.

Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, é uma antiga disciplina de cultivo da escola Buda baseada nos princípios da verdade, benevolência e tolerância. Após sua introdução na China em 1992, a prática tornou-se imensamente popular devido aos seus benefícios de cura, tanto físicos quanto espirituais. Porém, o PCC começou uma repressão brutal ao grupo em julho de 1999, temendo que a prática pudesse ser uma ameaça à sua ideologia comunista de luta de classes e ódio. Muitos praticantes foram presos, detidos e torturados.

Para encorajar a supressão do grupo espiritual, as autoridades chinesas começaram a desenvolver programas para recompensar os cidadãos com até 100.000 yuans (US $ 15.000) quando relataram as atividades dos praticantes do Falun Dafa à polícia, conforme relatado pelo Epoch Times anteriormente.

Foto de arquivo de praticantes do Falun Gong fazendo os exercícios em Guangzhou, China, antes do início da perseguição em julho de 1999 (Minghui)
Foto de arquivo de praticantes do Falun Gong fazendo os exercícios em Guangzhou, China, antes do início da perseguição em julho de 1999 (Minghui)

De acordo com Bitter Winter, os cidadãos chineses podem denunciar membros de qualquer um dos grupos religiosos e espirituais “proibidos” à polícia se forem vistos produzindo e distribuindo brochuras informativas, fotografias, publicações, slogans religiosos e assim por diante.

“A campanha nacional para suprimir a religião é mais severa do que durante a Revolução Cultural”, disse um funcionário da Mongólia Interior à revista em outubro passado.

Ameaçando a renunciar a Deus em troca de pensões de bem-estar

O PCC, com suas ideologias oficiais enraizadas no totalitarismo e ateísmo, exige que seus membros atuais e aposentados do partido não acreditem em religiões.

Ele também adverte os jovens estudantes a se afastarem de Deus ou correr o risco de serem expulsos da escola. O Partido Comunista também tem como alvo os crentes religiosos idosos, ameaçando retirar suas pensões de bem-estar se eles decidirem acreditar em Deus, disse o Bitter Winter.

Adoradores participam de uma missa de véspera de Natal na Catedral de Xishiku em Pequim em 24 de dezembro de 2019 (NOEL CELIS / AFP via Getty Images)
Adoradores participam de uma missa de véspera de Natal na Catedral de Xishiku em Pequim em 24 de dezembro de 2019 (NOEL CELIS / AFP via Getty Images)

Em janeiro, uma mulher que foi imobilizada por doença foi despojada de sua pensão do governo quando as autoridades descobriram que ela estava realizando reuniões religiosas em sua casa na cidade de Yingtan, província de Jiangxi. Por sua vez, os funcionários da província de Shandong ameaçaram uma senhora católica idosa com a remoção de símbolos religiosos de sua casa.

A mulher, de 70 anos, disse que as autoridades a advertiram para substituir os símbolos por retratos de Xi Jinping ou Mao Tsé-Tung, porque “ela vive de pensões do Partido Comunista”.

“Ao me forçar a remover o retrato do Senhor Jesus, o governo tentou impedir minha crença em Deus, mas eles não podem remover a fé do meu coração”, disse ele a Bitter Winter.

Em abril, autoridades da cidade de Fuzhou, na província de Jiangxi, foram a uma casa de repouso onde um crente idoso paralítico estava e derrubaram os retratos de Jesus em seu quarto. Disseram-lhe que se continuasse a praticar sua fé, eles o expulsariam do asilo e retirariam as pensões de bem-estar que o governo lhe deu.

“As autoridades disseram que devo acreditar no Partido Comunista porque ele me alimenta, ou então todos os meus benefícios sociais seriam cancelados”, disse ele à revista.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO