Pentágono planeja postura mais forte dos EUA em relação à China e Rússia

0
10

 (AFP) – As Forças Armadas dos EUA irão reforçar os posicionamentos e bases dirigidas à China e à Rússia, mesmo mantendo forças no Oriente Médio adequadas para deter o Irã e grupos jihadistas, disse o Pentágono na segunda-feira com base nos resultados de uma revisão.

O Departamento de Defesa dos EUA estará atualizando e expandindo instalações militares em Guam e na Austrália, enfatizando seu foco na China como principal rival de defesa do país, disseram as autoridades.

Os detalhes da “revisão da postura global”, encomendada no início da administração do presidente Joe Biden no início deste ano, permaneceriam confidenciais, disseram as autoridades, para não revelar segredos aos rivais ou revelar planos confidenciais aos aliados.

No entanto, a revisão confirmou que a região prioritária para os militares dos EUA era o Indo-Pacífico, disse Mara Karlin, uma importante autoridade política do Pentágono.

A revisão “direciona a cooperação adicional com aliados e parceiros em toda a região para fazer avançar iniciativas que contribuam para a estabilidade regional e dissuadir potenciais agressões militares da China e ameaças da Coreia do Norte”, disse ela a repórteres.

Além disso, “fortalece a capacidade de dissuasão com credibilidade em combate contra a agressão russa na Europa e permite que as forças da OTAN operem com mais eficácia”, disse ela.

O Oriente Médio, por outro lado, continua sendo uma área de fluxo para o Pentágono após as longas guerras no Iraque e no Afeganistão.

“Temos responsabilidades globais e devemos garantir a prontidão e modernização de nossas forças”, disse Karlin.

“Essas considerações exigem que façamos mudanças contínuas em nossa postura no Oriente Médio, mas sempre temos a capacidade de desdobrar rapidamente forças para a região com base no ambiente de ameaça.”

Falando separadamente, um oficial sênior do Pentágono que não quis ser identificado minimizou qualquer ideia de mudanças radicais.

“No primeiro ano de um governo, não é o momento em que desenvolveríamos uma grande mudança de nível estratégico em nossa postura”, disse o funcionário.

Reconstruindo confiança

No entanto, disse o oficial, a equipe de Biden sentiu a necessidade de revisão após a abordagem disruptiva de seu antecessor Donald Trump, que alterou os compromissos dos EUA abruptamente.

Sob Trump, “muitas vezes houve uma desvalorização das contribuições e engajamento de aliados e parceiros, o que corroeu a credibilidade dos EUA e a confiança conquistada a duras penas”, disse o oficial.

As autoridades se recusaram a responder a perguntas sobre como a revisão da postura global vê a presença da força dos EUA em zonas de conflito em curso, como Oriente Médio, África Oriental e Ocidental e Europa Oriental.

Mas eles confirmaram planos previamente anunciados de fazer mais em Guam e na Austrália, para reforçar as defesas contra qualquer ameaça da China.

“Na Austrália, você verá o lançamento de novos caças rotacionais e aviões de bombardeiro, verá o treinamento das forças terrestres e o aumento da cooperação logística”, disse Karlin.

Em Guam, nas Ilhas Marianas do Norte e na Austrália também haverá atualizações nos aeroportos e nas instalações de armazenamento de combustível e munições, disse ela.

Questionado se a revisão previa mais aumentos na presença dos EUA na região do Pacífico, Karlin disse: “Estamos mudando um pouco o controle.”

“E o que eu gostaria de pensar é que, nos próximos anos, você verá essa agulha se mover mais”, disse ela.

O post Pentágono planeja postura mais forte dos EUA em relação à China e Rússia apareceu primeiro em Gazeta Brasil – O que está acontecendo no Brasil e no Mundo agora..

O post Pentágono planeja postura mais forte dos EUA em relação à China e Rússia apareceu primeiro em Gazeta Brasil – O que está acontecendo no Brasil e no Mundo agora..

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO

Deixe uma resposta