Indicado por Bolsonaro para o STF, Mendonça impacta em sabatina no Senado: ‘juiz não é acusador, e acusador não é juiz’

0
15

Nesta quarta-feira (01), foi realizada a sabatina de André Mendonça – indicado do presidente Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal – no senado. No ensejo, André contou sua trajetória profissional e expôs alguns de seus compromissos eventualmente sendo aprovado para o cargo na Suprema Corte.

Mendonça salientou a importância da separação e do respeito entre os poderes, enfatizando a necessidade de freios e contrapesos, e declarou-se contrário a ativismos por parte do Judiciário. Além disso, ele também apontou que a “automoderação do Poder Judiciário é corolário lógico da democracia”.

Você pode se interessar:

1 – Sonhador? Randolfe Rodrigues debate candidatura à presidência com artistas e apoiadores

2 – General Heleno volta a chamar Ciro de “lixo humano” e afirma: “Precisa ser recolhido a um manicômio”

3 – Crise? Para cortar custos, Globo decide vender torres de transmissão

4 – General Heleno volta a chamar Ciro de “lixo humano” e afirma: “Precisa ser recolhido a um manicômio”

Ademais, o indicado por Bolsonaro aproveitou a exposição inicial para esclarecer três pontos principais sobre os quais foi questionado. Sobre a aplicação da Lei de Segurança Nacional enquanto ministro da Justiça, Mendonça esclareceu que a lei estava em vigor e em uso pelo próprio Supremo. Mendonça se mostrou favorável à execução da pena após condenação em segunda instância, ressaltando que a decisão está nas mãos do Congresso.

O candidato defendeu o respeito aos direitos e garantias individuais, afirmando que esse respeito “está umbilicalmente ligado ao respeito à própria democracia e ao Estado Democrático de Direito”. Mendonça apontou que é responsabilidade do Estado garantir direitos fundamentais a todo cidadão, e que, no âmbito do direito sancionador, tais direitos devem ser respeitados pelas partes e garantidos pelo juízo. O candidato enfatizou a importância do respeito a esses direitos pelos membros do Judiciário e, em especial, por ministros da Suprema Corte, e acrescentou: “juiz não é acusador, e acusador não é juiz”. Mendonça lembrou ainda que membros do Judiciário não podem fazer pré-julgamentos.

O post Indicado por Bolsonaro para o STF, Mendonça impacta em sabatina no Senado: ‘juiz não é acusador, e acusador não é juiz’ apareceu primeiro em Portal BR7.

CURTA O CONSERVADORISMO DO BRASIL NO FACEBOOK

COMENTÁRIOS

CONTEÚDO PATROCINADO

Deixe uma resposta